domingo, 31 de janeiro de 2010

Lixão da Camélia em Tapes/RS

Lixão da Camélia em Tapes
Família ira a Justiça suspender desapropriação feita pela Prefeitura de Tapes em área com Lixão
Saiba mais sobre o problema do Lixão, click aqui
Imagem: Arquivo Os Verdes/2000

sábado, 30 de janeiro de 2010

vc repórter: uso de depósito de lixo no RS é questionado

uso de depósito de lixo no RS é questionado
Aterro em Tapes tem legalidade questionada
Foto: Renata Silva Braga/vc repórter
Um terreno em Tapes (RS), cidade às margens da Lagoa dos Patos, é usado há mais de dez anos como depósito de lixo pela prefeitura local.
A legalidade da utilização da área e o dano ambiental desse uso, porém, são questionados por Renata Silva Braga, de Guaíba (RS). De acordo com a internauta, o antigo dono do terreno, já falecido, autorizou o uso do terreno como lixão entre os anos de 2000 e 2006.
Após esse prazo, a prefeitura de Tapes teria entrado com recurso judicial para prorrogar o uso da terra até 26 de janeiro de 2010. Desta vez, a prefeitura teria a intenção de tomar as terras em definitivo. "Onde existe o lixão, antes havia vários butiazeiros (uma espécie de palmeira). Hoje resta apenas um", lamenta Renata.
A prefeitura de Tapes diz que o terreno é um "aterro sanitário licenciado dentro dos parâmetros dos órgãos ambientais competentes".
Ainda de acordo com as autoridades municipais, o contrato acabou no dia 26 de janeiro, mas o terreno será utilizado enquanto não houver a implantação de uma empresa particular para gestão do lixo, o que deve demorar até um ano.
O fim do contrato não altera a legalidade do terreno, já que, segundo a prefeitura, o aterro foi desapropriado. A justificativa das autoridades é que há um compromisso de recuperar ambientalmente a área, em um processo que durará, no mínimo, dez anos.
Esse processo, diz a prefeitura, não seria cumprido se a decisão do antigo administrador do terreno, de proibir a entrada de funcionários da prefeitura no local após o fim do contrato, fosse mantida.
As internautas Andressa Silva Braga e Renata Silva Braga, de Guaíba(RS), participaram do vc repórter, canal de jornalismo participativo do Terra. Se você também quiser mandar fotos, textos ou vídeos,
clique aqui.

quarta-feira, 27 de janeiro de 2010

Convite para Missa de 7° Dia do amigo Walter Tsunaki

Os Verdes de Tapes prestam neste post uma Homenagem ao amigo Walter Tsunaki, grande ser humano que esteve entre nós e nos deixou na caminhada. Tristes todos ficamos. Sua presença durante os meses de 2009 em que foram combatidos os argumentos favoráveis ao PL 154, vindos do setor que coloca em risco a segurança das pessoas com um projeto de lei que destrói com as lutas de grandes ambientalistas, teve a participação de suma importância desta pessoa, que construiu junto com diversos representantes das ONGs e outras entidades do RS, a defesa do interesse público e da preservação do meio ambiente, durante sua atuação na Assembléia Legislativo do Estado.
Publicamos abaixo, a última mensagem pela Internet de nosso amigo, convidando-nos à manter a luta acesa contra o PL 154 e todas aquelas ações danosas ao futuro nosso e de nossos filhos.
Saudações Verdes e ambientalistas ao amigo Tsunaki, que com certeza já está na Luz!
Car@s Amig@s!!
tudo bem com vçs???
Apesar de alguns percalços, creio que tivemos uma estratégia exitosa em
2009 no embate em torno do PL 154.
tô entrando de férias e só retorno para o trabalho no dia 8 de fevereiro.
Como a primeira sessão da CCJ será no dia 9/2, terça feira, tô entrando
em contato agora.
Só pra relembrar. Foram quatro pedidos de vista (PT, PSDB, PDT e PPS)
Podem ainda solicitar vista: PMDB (Alceu Moreira ou Záchia) e PP (Pedro
Westphalen e Francisco Appio)
O Dem não pode porque é autor do parecer, Marquinho Lang, mas que pode
retirar o parecer e apresentar outro.
Restam, portanto, poucas medidas protelatórias.
Devemos ir nos preparando para a votação. Assim, torna-se fundamental o
contato do Berfran com os deputados da CCJ para manifestar a posição do
governo.
Um abraço a tod@s e boas férias.
walter

Fonte texto Walter: recebido por e-mail

segunda-feira, 25 de janeiro de 2010

Livro Ecos do Cerrado narra a destruição do Cerrado no Piauí

Livro ‘Ecos do Cerrado’ narra a destruição do Cerrado no Piauí
Judson Barros lança livro: Ecos do Cerrado – bichos imploram contra a destruição do cerrado
Metade da área agricultável do cerrado piauiense já foi desmatada. E o que é pior, tudo aconteceu nos últimos cinco anos. O dado consta no livro “Ecos do Cerrado: bichos imploram contra a destruição do cerrado”, do ambientalista Judson Barros. Segundo Judson Barros, no Piauí se cometem os maiores crimes ambientais do Brasil. “O desmatamento no Piauí, hoje, é maior até do que o desmatamento que acontece na Amazônia”, disse o ambientalista, acrescentando que o assunto não é encarado com seriedade no Piauí. “Aqui não se discute desmatamento”, completou.
Leia mais no Portal ECODEBATE

domingo, 24 de janeiro de 2010

La UE anunciará su reducción de CO2 antes del 31 de enero

La secretaria de Estado de Cambio Climático del Ministerio de Medio Ambiente y Medio Rural y Marino, Teresa Ribera, aseguró este jueves que la Unión Europea "va a llegar, sin ninguna duda" a la fecha... ampliar
Fonte: Ecotícias
Em Rede: Ecotícias
DIVULGUE:Bookmark and Share

Crônica O unobtainium é nosso

Crônica
O unobtainium é nosso
O crítico de cinema da revista "The New Yorker" David Denby flagrou duas das ironias de "Avatar". O filme é, ao mesmo tempo, contra a tecnologia — máquinas de guerra supersofisticadas são derrotadas por arcos e flechas com a ajuda espiritual da Natureza — e o mais empolgante exemplo de tecnologia avançada que já se viu no cinema.
E é um filme abertamente, panfletariamente anti-imperialista, que está batendo recordes de renda onde quer que o império do cinema americano alcançou, em muitos casos tendo liquidado culturas locais. Como disse o diretor James Cameron aos seus pares quando recebeu o Globo de Ouro por "Avatar":
"Gente, nosso trabalho não é o melhor trabalho do mundo?" É um trabalho à prova de contradições.
Cameron confia tanto no poder embasbacador do seu filme que não se dá o trabalho de entrar em detalhes. Nunca se fica sabendo o que os habitantes de Pandora e os avatares respiram através da$narizes achatados, já que oxigênio não é. E nunca fica claro por que o tal mineral "unobtainium" é tão importante para os invasores terrenos, a ponto de justificar o massacre dos nativos.

Como o mineral não é identificado, fica-se autorizado a substituir "unobtainium" por "petróleo" para reforçar a analogia anti-imperialista. E, para não restar dúvidas, no filme há uma rápida referência a outra invasão americana quando alguém comparara a tática que será usada contra a resistência nativa ao choque e espanto, "shock and awe", nome dado às primeiras operações no Iraque.

Os vilões do filme não são exatamente as forças armadas americanas, são mercenários pagos por empresários predadores para fazer seu trabalho sujo. Os vilões são a estupidez de uns e a ganância dos outros. Vilões conhecidos. Fora a tecnologia sofisticada, diz o filme, o século 23 repete o século 20.
Pensando bem, repete todos os séculos de conquistas imperiais desde o 16º.
Jake Sully, o avatar que adere à resistência nativa e acaba liderando-a, é um herói também à antiga. Não falta, na sua exortação ao seu novo povo, o punho levantado e a frase desafiadora "esta terra é nossa". Só faltou, mesmo, dizer "o unobtainium é nosso!". O que eu achei do filme? Achei sensacional.
Por Luis Fernando Veríssimo
Fonte: Blog do NOBLAT
DIVULGUE:Bookmark and Share

Avatar para a Tropa

AVATAR PARA A TROPA
Recrutas no cinema
Alunos recém-aprovados em concurso para PMs tiveram uma aula diferente ontem em Porto Alegre
O que os Na’vi, um povo que luta contra a exploração de uma mineradora disposta a extrair os recursos naturais de seu planeta, têm a ver com a segurança pública em Porto Alegre? – Tudo – responde o major Aroldo Medina, professor da Academia da Brigada Militar, para quem a função da corporação nas ruas não é “combater inimigos”.
Ontem, Medina levou 120 alunos soldados lotados no 9º Batalhão da Polícia Militar – responsável pelo policiamento de 17 bairros da Capital, entre eles o Centro – para assistir a Avatar, a milionária produção de Jame
s Cameron, que lota cinemas mundo afora. Em tecnologia 3D, a história aborda os conflitos éticos envolvendo nativos de Pandora, um país fictício, que vivem em harmonia com a natureza, e a ganância dos humanos, dispostos a derrubar florestas, extrair minérios e subjugar o povo. A tônica do sucesso hollywoodiano é a defesa dos recursos naturais e o embate pela vida.
Mais de uma centena de jovens soldados acomodaram-se nas poltronas confortáveis do CineSystem do Shopping Total. No lugar de revólveres e pistolas, óculos para projeção 3D. Cadernos e apostilas são substituídos por sacos de pipoca e copos de refrigerante. Cento e oitenta e nove minutos depois, Felipe Ilha Dutra, 22 anos, é um dos primeiros a sair. Natural de Santa Maria, está entusiasmado.

– A força e a união dos Na´vi em defesa do ambiente são
um exemplo para nós – diz Dutra, que pela primeira vez assiste a uma projeção em 3D.
O acompanham Jaqueline Angelin, Vitor Felix Garcia e Samuel Lopes Rodrigues – todos jovens recrutas, todos interioranos, todos dispostos a combater o crime. Nascido há 25 anos em Dom Pedrito, na Campanha, Rodrigues relaciona a disputa pelas riquezas da floresta com a ação dos traficantes, que dominam vilas e subjugam inocentes.
– Precisamos conquistar a confiança da população para expulsar o tráfico, que explora as comunidades. É o que os Na’vi fizeram para defender a sobrevivência deles – diz Rodrigues.

Natural de Tucunduva, Jaqueline acha que a mediação de conflito, como ensina o filme, tem um papel central:

– Pode nos ajudar a recuperar a imagem da corporação.

Há 12 anos na BM, o sargento Edgar Ricardo da Silva acompanha à distância os novatos.
Satisfeito com o que acaba de assistir, Silva acha que ao mostrar Jake, um veterano de guerra paraplégico, mudar de lado e defender o povo da floresta, o filme cumpre um objetivo central nos dias atuais:
– Mostra que há dois tipos de soldados: os que só obedecem e os que pensam. Precisamos dos que pensam. Professor de história da BM, o major Medina acredita que o filme ajuda a treinar PMs para mediar conflitos: – Espero que o soldado se identifique com os Na’vis, que respeitam a natureza e vivem em harmonia. Queremos formar soldados do meio ambiente, da democracia, da paz. Pesquisador alerta para uma formação mais ampla Atividades complementares qualificam, aos poucos, a formação de policiais. O que é bom, mas insuficiente, opina Alex Niche Teixeira, pesquisador do Grupo de Pesquisa em Violência e Cidadania da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Para o professor, assistir a um filme e depois debatê-lo, não é suficiente para tornar uma polícia menos violenta: – Precisamos de uma formação mais ampla, que envolva outras disciplinas, em outros espaços da formação, que reproduzam mais uma visão de direitos humanos e menos de combate. A atividade complementar ao filme também será longe das ruas. – Vamos debater em sala de aula e escrever uma redação – avisa Medina.
Fonte: ZH/CARLOS ETCHICHURY
Imagem: Fernando Gomes
DIVULGUE:Bookmark and Share

14-15-16 DE FEBRERO: ENCUENTRO VERDE EN INAGUA (GRAN CANARIA)

ENCUENTRO VERDE EN INAGUA

Aprovechando el puente de carnaval celebraremos un encuentro verde en la reserva natural de Inagua (Gran Canaria), uno de los parajes más bellos de Canarias en dónde sobrevive el pinzón azul.

Nos alojaremos en el Aula de la Naturaleza de Inagua, equipamiento ubicado en un entorno natural, la Reserva Natural Integral de Inagua, dotado de los recursos materiales, didácticos y humanos para conocer el espacio naturaleza ( http://reiamac.gov-madeira.pt/index.php/articles/55 ). El encuentro va dirigido a familias "verdes" y compañeros/as que quieran participar de las 7 islas Canarias y del resto del mundo mundial.

Mas en> Galáxia Verde

2010 AÑO INTERNACIONAL DE LA DIVERSIDAD BIOLOGICA

2010 AÑO
INTERNACIONAL DE LA DIVERSIDAD BIOLOGICA


Las Naciones Unidas declararon 2010 como el Año Internacional de la Biodiversidad.
Es una celebración de la vida en la tierra y del valor de la diversidad biológica para nuestras vidas.
El mundo está invitado a tomar acción en 2010 para proteger la variedad de la vida en la tierra: la biodiversidad
Fuente: RedCalc
Em Rede: RedCalc

Änderung der Solarstromvergütung

Änderung der Solarstromvergütung

21. Januar 2010

Bundesumweltminister Röttgen möchte die Vergütungsregelungen für Solarstrom im Erneuerbare Energien Gesetz ändern. Die Vergütungssätze sollen einmalig um 15% gesenkt, der Eigenverbrauch aber vermehrt gefördert werden. mehr

Frases que nunca deixam de ser modernas - II

Do caos surgiu a primeira realidade sólida de Gaia, a Terra. Ela deu ao caos um sentido, limitou-o. Instalou nele o chão, o palco da maravilha e da miséria da Vida - Hesíodo, poeta grego do século VII a.C
Quando a Terra é avistada da Lua, não são visíveis, nela, as divisões em nações ou estados. Isso pode ser o símbolo da Mitologia futura. Essa é a nação que iremos celebrar, essas são as pessoas às quais nos uniremos. - Joseph Camppbell em O Poder do Mito

Libertad para San Kyl y Birmania

Libertad para San Kyl y Birmania
La Coordinadora Verde de Aragón, ha pedido la liberación inmediata de Aung San Kyl y el fin del régimen dictatorial birmano.
La activista pro-derechos humanos es también Premio Nobel de la Paz y acaba de ser sentenciada a otro año y medio de arresto domiciliario por un tribunal arbitrario de Birmania.
Suu Kyi lleva retenida 14 años debido a su denuncia activa del régimen dictatorial birmano, que abarca 40 años de asesinatos, tortura, violaciones masivas y trabajo esclavo.
Los Verdes exigimos que el gobierno de Myanmar retire los cargos contra la líder y que garantice que pueda presentarse a las próximas elecciones desbloqueando así los cambios democráticos que precisa este país.

Mas en, Los Verdes de Aragón
DIVULGUE:
Bookmark and Share

sábado, 23 de janeiro de 2010

Protection Animals - Protect Humans

Programação 3° Encontro Nacional da REBAL

DIVULGUE:
Bookmark and Share

Local To Global Justice 9th Annual Teach-In in Tempe - Arizona

Meio ambiente: atuação local e global

Meio ambiente: atuação local e global
por Marcus Vinícius Vieira de Almeida *
A chegada de 2010 propicia um convite à reflexão – tanto para a análise daquilo que se passou quanto para as projeções dos caminhos futuros. Na virada de 2008 para 2009, por exemplo, as incertezas provocadas pela crise fizeram com que as perspectivas se voltassem para o campo da economia. Passada a fase mais aguda das turbulências financeiras, é hora de questionarmos: o que a sociedade espera do ano que se iniciou?


Durante a Conferência de Mudanças Climáticas promovida pela Organização das Nações Unidas em Copenhague, parte dessa pergunta foi respondida. Apesar de o acordo entre os líderes globais ter fracassado, ficou comprovado que a questão ambiental pautará irremediavelmente os debates a respeito do desenvolvimento mundial daqui em diante.

Essa discussão, contudo, não pode ficar restrita a pontos longínquos do mapa-múndi, onde são estabelecidas metas que pouca relação têm com o dia a dia de nossa população. Embora a ciência envolvida seja complexa, os problemas do clima atingem a todos e, por isso mesmo, devem ser resolvidos por todos – do chefe de Estado ao gestor municipal, do diretor de uma multinacional ao pequeno empresário.

Os prefeitos gaúchos estão atentos a isso e realizaram, no dia 22 de janeiro, uma assembleia em Tramandaí que tratou do assunto. Estamos motivados a avançar na questão, dada a quantidade preocupante de catástrofes naturais que sofremos no Estado: tempestades torrenciais, secas e estiagens históricas, ventos potencialmente destruidores. Todos esses fenômenos afetaram diretamente a vida em nossas comunidades, tanto econômica quanto socialmente.

Nosso desejo é de que 2010 seja um ano de desenvolvimento de uma ampla gama de políticas ambientais, tendo em vista o efeito estufa, a poluição e outros males que afetam a natureza. Trata-se de um problema que só será vencido se as ações macro forem acompanhadas pelo trabalho local, com medidas voltadas ao cotidiano de nossas comunidades, famílias e cidadãos.

Além de “muito dinheiro no bolso e saúde pra dar e vender”, que o Ano-Novo traga uma nova consciência ambiental. A todo o planeta, mas especialmente a cada um de nós.

Marcus Vinicius é Presidente da Famurs e Prefeito de Sentinela do Sul

Fonte: Zero Hora e atualizado para publicação
DIVULGUE:
Bookmark and Share

This is your time to help

This is your time to help

100% of funds raised will go towards relief efforts in Haiti and there are NO backend costs. Additionally, the Entertainment Industry Foundation has waived all administrative fees.
A massive, 7.0 magnitude earthquake struck Haiti near the capital of Port-au-Prince on Tuesday, January 12th. The damage to buildings is extensive and the number of injured or dead is estimated to be over 100,000.

Your gift will help rush emergency supplies to survivors of this catastrophe. Your gift now will help distribute life-saving relief supplies including food, clean water, blankets, medical supplies and tents to children and families devastated by the earthquake and aftershocks in Haiti.

Thank you for your generous gift in this time of need.

read more, click here

DIVULGUE:Bookmark and Share

A praga das pessoas, por Rafael Fernandes

A praga das pessoas
por Rafael Fernandes
Ao desenvolver a Teoria de Gaia, o cientista inglês James Lovelock sustentou a ideia de que o planeta Terra é um gigantesco organismo vivo, que se autorregula e abrange todas as formas vivas existentes (inclusive os seres humanos).
Admitindo que a Teoria de Gaia seja plausível, podemos classificar o quadro global de devastação ambiental como uma doença crônica desse superorganismo, assim como o aumento da temperatura no planeta pode ser comparado ao estado febril de uma pessoa.

Quando uma doença se abate sobre um organismo, pode ocorrer um entre três resultados: a remediação, que resultará na destruição dos patogênicos invasores; a infecção crônica, que levará à morte do hospedeiro (e, consequentemente, do invasor), ou, ainda, a construção de uma relação mutuamente vantajosa entre invasor e hospedeiro, conhecida na biologia como simbiose.
A Terra é um ser agonizante porque os seres humanos comportam-se como micro-organismos patogênicos e, à medida que nossa ação destruidora aumenta, os efeitos patológicos tornam seu estado irreversível. Resta saber o que nos afasta da ideia de cooperar com o nosso planeta. Recentemente, na 15ª Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (COP15), realizada em Copenhague, as lideranças mundiais demonstraram o quão longe estamos de viver em harmonia com Gaia.
A nossa convivência em sociedade deixa claro o quanto podemos ser inteligentes como indivíduos e o quanto somos limitados, ignorantes e grosseiros como coletivo. De certa forma nossas “qualidades” coletivas refletem-se nas pessoas que escolhemos para nos representar e, a partir disso, não surpreende a falta de resultado em Copenhague, a miséria do Haiti, os escândalos na política, os conflitos armados e a febre de Gaia.
Artigo publicado originalmente pelo jornal Zero Hora em 21 de janeiro de 2010
(Edição nº 16.222; p. 26)

Rafael Fernandes é Tecnólogo Ambiental
e-mail: proecologica@proecologica.com.br
DIVULGUE:
Bookmark and Share

The world's tallest man met one of the world's smallest men last week

The world's tallest man met one of the world's smallest men last week as part of an event organized by the Guinness World Records. Adding another superlative to the encounter was its location, Forum Istanbul, Europe's largest mall. Sultan Kosen, who stands 8 feet 1 inches tall, met He Pingping, the world's smallest mobile man. Pingping measures just 2 feet 5 inches. Kosen, 27, is from Turkey, and told reporters that he was excited to show Pingping, 21, around Istanbul, Turkey.
He Pingping, the shortest man in the world at 2 ft 5.37 in (74.61 cm), holds hands with the world's tallest man, Sultan Kösen, who is 8 ft 1 in (246.5 cm) tall.

Colunista do Huffington Post sugere que Brasil restrinja "Avatar"

Colunista do Huffington Post sugere que Brasil restrinja "Avatar"
Por VITOR MORENO
A jornalista americana Lori Pottinger sugeriu em sua coluna no prestigiado site The Huffington Post que o Brasil deveria restringir o filme "Avatar" nos cinemas do país. O comentário foi feito em um texto intitulado: "Brasil deveria banir 'Avatar'?". Na análise do filme, Lori aponta semelhanças entre Pandora, o planeta imaginário do filme, e o Brasil. A jornalista, que também é ativista ambiental, começa o texto lembrando que o filme ficou pouco dias em cartaz na China. A exibição em cinemas chineses foi reduzida para o lançamento de um filme sobre Confúcio."O que veio à minha mente quando assisti ao filme foi o Brasil, e não a China", afirmou.Cena do filme "Avatar", cuja exibição no Brasil uma colunista do site The Huffington Post sugere que seja banida Cena de "Avatar", cuja exibição no Brasil uma colunista do site The Huffington Post sugere que seja restringida.Ela comenta que os Na'vi vivem "numa gloriosa floresta tropical, que lembra a rica biodiversidade da Amazônia".
Além disso, há "a ligação que as pessoas do
filme têm com sua terra", que, segundo ela, "é tão respeitosa e culturalmente única quanto a das pessoas de tribos reais". De acordo com o texto, "o governo brasileiro tem algumas semelhanças com os mercenários corporativos do filme". "O plano [do governo brasileiro] de vender o poderoso rio para quem pagar mais vai resultar em despejos forçados e no drástico fim de culturas e do meio de subsistência de milhares de pessoas", afirma."É provavelmente bom para o governo Lula que a maioria das pessoas que vivem em tribos na Amazônia não possam ir ao multiplex da esquina para levar essa pancada", diz a jornalista, para quem "isso poderia desencadear uma enchente que o governo não poderia represar".
Fonte: Folha Online

quinta-feira, 21 de janeiro de 2010

Mais de 600 gaúchos querem ir ao Haiti

NOVAS TROPAS
Mais de 600 gaúchos querem ir ao Haiti
Sobreviventes do terremoto de terça-feira estendem seus braços para as tropas E.U. com a 82 ª Divisão Aerotransportada distribuir água em Port-au-Prince, domingo, 17 de janeiro, 2010. As tropas deram ao todo de 9.000 garrafas de água e 2.000 refeições de domingo. (AP Photo / Jae C. Hong)
Mais de 600 profissionais gaúchos da saúde se inscreveram voluntariamente para participar dos esforços de recuperação d
o Haiti.
A Secretaria Estadual da Saúde abriu cadastro para profissionais da saúde, “especialmente médicos e enfermeiros com experiência em traumatologia e cirurgia”.
Forma-se, assim, um banco de dados da solidariedade gaúcha, à disposição do governo federal – a quem caberá definir as missões, conforme a demanda.
– O ministério disponibiliza transporte, e a Secretaria da Saúde vai garantir água e alimentação aos profissionais voluntários – disse o secretário estadual da Saúde, Osmar Terra. Quem quiser se cadastrar deve enviar e-mail para o endereço cadastrohaiti@saude.rs.gov.br e informar nome, profissão, número do conselho, vínculo de trabalho, endereço, telefone e e-mail. E esperar o chamado para ir ao Haiti. Além desses 600, outros profissionais gaúchos aprontam suas malas para ir ao Haiti.
Dois casos são a prova de que, se é possível pinçar vantagens em desastres naturais, duas delas são estas: a superação gera conhecimento para o futuro, e a dor é algo universal, o que possibilita o uso dessa experiência em qualquer canto. Dois engenheiros, Paulo Mota e Vilson Dias, e um arquiteto, Airton Lima, especialistas gaúchos em desastres ambientais, viajarão para Porto Príncipe nos próximos dias, como enviados da Secretaria Estadual de Saúde, em parceria com o Ministério da Saúde. Por que eles? Porque acumularam conhecimento em enchentes no Interior gaúcho e em Santa Catarina. No Haiti, eles devem colaborar com a avaliação dos estragos e com os projetos de reconstrução. – Sou um engenheiro civil que trabalha com desastres.
Recebemos a informação do Ministério da Saúde de que estamos muito bem cotados para recuperar a estrutura das próprias equipes de socorro (o que justifica a urgência). Podemos ir a qualquer hora, e estamos preparados – disse Paulo Mota a Zero Hora, em meio ao trabalho que realizava ontem e que, para ele, é uma rotina: distribuição de recursos para o Interior gaúcho, castigado pelas chuvas. Mota, Dias e Lima integram o Centro Estadual de Vigilância em Saúde (CEVS) – mais especificamente, o grupo especializado em desastres.
Fonte: Zero Hora (20/01)
Mais imagens, click aqui
DIVULGUE: Bookmark and Share

Consumismo é ameaça ambiental global, adverte relatório

Consumismo é ameaça ambiental global, adverte relatório
Por Eduardo Sejanes Cezimbra
O americano médio consome mais do que o seu próprio peso em produtos por dia, alimentando uma cultura global do excesso que vem emergindo como a maior ameaça para o planeta, segundo um relatório publicado nesta semana. No seu relatório anual, o Worldwatch Institute diz que o culto do consumo e da ganância pode acabar com todos os avanços das ações governamentais em direção ao combate das mudanças climáticas e de mudanças para uma economia de eficiência energética.
"Até reconhecermos que nossos problemas ambientais, das mudanças climáticas ao desmatamento e à perda de espécies, são movidos por hábitos insustentáveis.
Leia mais, click aqui
Fonte: Portal do Meio Ambiente
Imagem: Portal do Meio Ambiente

Los ecologistas acusan a la industria nuclear de "irresponsabilidad crónica"

Los ecologistas acusan a la industria nuclear de "irresponsabilidad crónica"
Greenpeace y Ecologistas en Acción ha acusado al ministro de Industria, o, Miguel Sebastián, de "comprar alcaldes con dinero público" para lograr así que algún municipio acoja el cementerio de residuos nucleares". La industria nuckear la acusan de "irresponsabilidad crónica".
El portavoz de Greenpeace de la campaña Nuclear, Carlos Bravo, asegura que la operación para lograr que algún alcalde acepte el Almacén Temporal Centralizado de Residuos Radioactivos de Alta Actividad (ATC) es "poco ético" y supone una "estrategia inmoral" e incluso "antidemocrática".
Bravo llegó a acusar a Sebastián de hacer un razonamiento más propio de una "república bananera", cuando éste afirmó que la opinión del presidente de Castilla la Mancha, José María Barreda, no era relevante en la polémica, por entender que la construcción de una infraestructura de este tipo requiere precisamente del visto bueno de todas las administraciones implicadas.
Los ecologistas aseguran que la construcción del ATC es inaceptable y que pelearán de manera "continua", a menos que el Ministerio que dirige Sebastián dé marcha atrás.
El portavoz de Ecologistas en Acción, Manuel Adelantado, acusó asimismo a la industria nuclear de "irresponsabilidad crónica" en la gestión de las centrales españolas, y aunque todos reconocieron que "no existe ninguna solución satisfactoria", coincidieron que el ATC será un caballo de batalla se construya donde se construya.

Fonte: www.deminorias.com

PV no RS unidos e com esperança

PV no RS: Após a 'tormenta' vem a 'bonanza'
No último sábado (16/01), os militantes do Partido Verde no RS se encontraram na Assembléia Legislativa do Estado para discutirem a criação do Conselho Estadual do partido e discutir atividade para a vinda de Marina Silva ao Fórum Social Mundial que se realiza na semana que vem, entre os dias 25 e 30 de janeiro.
Prensenças marcantes no evento foram Giba Giba, ativista cultural do estado, cidadão emérito de Porto Alegre e Hilda Zimermmam, ambientalista decana na defesa ambiental do RS, que atuou ao lado de Lutz, está militante ativa na causa e comentava desde 2003 pelo nome de Marina Silva para a presidência da república.
A presença Verde era 'grande', na sua maioria ativistas na defesa ambiental em nome do Partido Verde no Rio Grande do Sul, de diversas cidades, e estão assumindo uma estrutura partidária que estava aquém das necessidades de crescimento que o PV estava gestando no contexto político gaúcho.
Para alguns, após as atribulações da disputa interna, e da decisão Nacional em intervir 'novamente' no RS, a paz reina entre Os Verdes do 'bem'.
O 'boom' Marina, com a vinda da ambientalista para o PV, trouxe o interesse de diversos setores em apoiar a senadora eleita pelo PT do Acre, e que durante sua estada no Ministério do Meio Ambiente, teve diversos entraves com setores ligados ao Governo, como o Ministério da Agricultura.

Agora, no PV, o objetivo de desenvolvimento sustentável é pauta para todos os políticos que querem votos de pessoas 'inteligentes', caso dos que votarão em Marina Silva.
Fonte: Rede Os Verdes

Política x Meio Ambiente: Seria 2010 o "Ano Em Que Faremos Contato"?

Política x Meio Ambiente:
Seria 2010 o "Ano Em Que Faremos Contato"?
Fiscalização, Zoneamento, análise por especialistas "antes da construção" são ítens básicos de segurança e mais baratos do que enfrentar os resultados da omissão.
Ano novo, vida nova... pelo menos isso é o que deveria ser. E seria, caso a reunião em Copenhague no início de Dezembro, tivesse produzido algo útil para o planeta e não como foi, com milhares de políticos reunidos pomposamente em meio ao luxo de uma reunião tão esperada o ano todo, em meio à desgraça causada pelas mudanças climáticas.
A reunião foi pelo ralo e, junto com ela, estão indo centenas de pessoas que perderam suas vidas de Dezembro para cá. Não é exagero, quem quiser conferir, faça as contas lendo as notícias nos links abaixo, são notícias internacionais, fora as outras centenas de pessoas que perderam suas vidas aqui no Brasil por motivos climáticos.

Angra? Uma fiscalização, uma análise feita por qualquer especialista naquelas encostas "antes da construção" teria evitado uma tragédia. Paga-se caro demais pelo desleixo. Construções ilegais em mananciais, em áreas de preservação, nada disso é controlado, evitado por uma simples e correta fiscalização. E por quê? Não é mais barato fiscalizar corretamente, honestamente, do que cavar depois para encontrar corpos?
Os EUA nada produziram em Copenhague. 20 dias para cá enfrentam um dos piores invernos já registrados. O Brasil também, apesar dos discursos, nada produziu lá. Estamos embaixo dágua neste verão, vivos ou mortos, fora os milhares de desabrigados.

Quando vamos estudar e enfrentar as mudanças climáticas de maneira responsável? Não existe um cidadão em qualquer cidade deste país que tenha conhecimento de um plano de evacuação. Não existe fiscalização apropriada para inibir desmatamentos, construções ilegais, poluição da água. Não existe um político debruçado sobre como corrigir isso tudo, apenas debruçam-se sobre seus futuros discursos onde ampliarão, na TV, seu jargão vazio: "Saúde, segurança, habitação, educação e... meio ambiente!" ...dezenas deles repetirão isso em suas campanhas.

Hora de resultados concretos, ações realistas, responsabilidade. Caso contrário, continuaremos a escavar para encontrar os corpos.

Fonte: Eco4you

Animais de estimação: cocô na calçada e na praia é culpa do dono porco

Animais de estimação:
cocô na calçada e na praia é culpa do dono porco
Os donos de animais de estimação e seus (as vezes nem tanto) bem tratados animais... uma grande parte deles compete com o próprio bicho sobre seu lugar no reino animal, a classificação mais adequada seria "Porcos".
Leia mais no Blog ECO4YOU
http://eco4u.blogspot.com/2010/01/animais-de-estimacao-coco-na-calcada-e.html

Resta salvar o planeta do julgamento da História

Resta salvar o planeta do julgamento da História
O mundo esperava de Copenhague um acordo justo, ambicioso e com força de lei, para que pudesse começar a ser implementado imediatamente. Para o WWF-Brasil, saímos de lá sem nada disso. O acordo de Copenhague não é ambicioso e nem legalmente vinculante. Após o enorme fiasco, o WWF-Brasil espera, para 2010, um processo claro e transparente de consulta a todas as partes envolvidas, de forma as discussões evoluam e se possa dar a resposta que a ciência indica como necessária para manter o aquecimento global em 2oC, como a sociedade espera de seus líderes.
Somente assim será possível salvar o processo multilateral de um julgamento completamente negativo pelos povos de todo o mundo. Para isto, é necessário que todos queiram chegar a um acordo, mas, por enquanto, sequer isto está assegurado.
E não houve falta de tempo. Mas, sim, de vontade política e mandato claro aos negociadores para se chegar a um acordo. Para o WWF-Brasil, o fim melancólico da Conferência representa uma imensa oportunidade desperdiçada, após quatro anos de conversas iniciadas a partir da COP-11, que criou os grupos de trabalho sobre diálogo de longo prazo, no âmbito da Convenção, e sobre o diálogo de novas metas para os países do Anexo I, no âmbito do Protocolo de Quioto. Desperdiçaram-se, ainda, dois anos de negociação com mandato claro, ou Plano de Ação de Bali – acordado em 2007 na COP-13. Este plano definia um mandato de negociação sobre diferentes temas. No âmbito do Protocolo de Quioto, metas para os países desenvolvidos no pós-2012. Para a Convenção, uma visão compartilhada, meta para os países do Anexo I não signatários de Quioto (Estados Unidos), ações para países em desenvolvimento, financiamento de mitigação e adaptação nos países em desenvolvimento, capacitação, transferência de tecnologia REDD etc.
Acordo pífio -- Ao final, redigiu-se um acordo de última hora, discutido às pressas, apenas para tentar salvar uma reunião que reuniu mais de 100 chefes de estado de uma situação, no mínimo, muito embaraçosa. O acordo redigido foi pífio, sem apoio de todos os países e a franca oposição de alguns, o que impede que o documento seja transformado em decisão efetiva da Conferência e que, portanto, possa ser implementado seguindo as regras da própria Convenção. Num dos poucos e ainda tímidos avanços observados durante a Conferência – a definição de recursos para investimento de curto prazo e a indicação de recursos de US$ 100 bilhões até 2020 –, faltou clareza sobre quem contribui, com quanto, fontes de recursos e metas. Quanto ao Brasil, o contundente discurso do presidente Lula no dia 18 da Conferência não foi suficiente para liderar rumo a um acordo robusto nem quebrar a oposição de muitos países que parecem não querer chegar a lugar algum.
O olhar no amanhã -- Na opinião do WWF-Brasil, todos os países têm o dever de trazer o diálogo de clima de volta aos trilhos da responsabilidade. Hoje, o futuro do clima do Planeta não está livre das conseqüências mais severas das mudanças climáticas. Milhares de pessoas estão expostas às consequências do aquecimento global, milhares perdem suas casas, seus bens e até mesmo suas vidas a cada ano, em consequência de secas, tempestades, enchentes. Na COP-15, ninguém pode dizer que fez o suficiente. Nem mesmo o Brasil. Em 2010, será inaceitável um novo fracasso. É preciso um processo claro, transparente de diálogo e consultas ao longo do ano no âmbito da Convenção. E com a meta de chegarmos à COP-16 com um acordo detalhado e muito avançado para referendo na Conferência. Não vamos conseguir reverter o julgamento negativo sobre os líderes mundiais na COP-15. Mas temos a chance de tomar as medidas necessárias para dar a resposta que nosso Planeta precisa.
Fonte: WWF