domingo, 28 de agosto de 2011

UFO Base found in Himalayas

UFO BASE FOUND IN HIMALAYAS 
By Frank Lake 
BANGALORE, INDIA – Indian and Chinese authorities have confirmed the existence of an underground UFO base in the Himalayas. 
Kongka La is the low ridge pass in the Himalayas in the disputed India-China border area in Ladakh.  The Chinese held northeastern part is known as Aksai Chin and Indian South West is known as Ladakh. This was where Indian and Chinese army fought major war in 1962. The area is one of the least accessed area in the world and by agreement the two countries do not patrol that part of the border. 
This is where the underground UFO base is located
According to the locals on the Indian and Chinese side, this is where UFOs are seen coming out of the ground on a regular basis.  According to many, the UFO underground bases are in this region and both the Indian and Chinese Government haven known this for a very, very long time. 
They are publicly confirming its existence
 “India has found an active UFO base in The Himalayas. We are working with China and the U.N. to discuss how to handle this alien incursion,” said Indian Defense Minister, A.K. Antony.  “We do not want our people to be alarmed.  We are confident we can contain this threat from an alien culture.” 
UFO expert, Dr. John Malley, of the U.N. Panel on Extraterrestrials, visited the site (with Frank Lake of WWN) and has confirmed that the spaceships observed entering and exiting the base were from Planet Gootan.  “The spaceships had a purple light emanating from the bottom of their ship, and distinct markings on the under side.  This is a classic Gootan ship.  It is not, however, one of their battleships.” 
Dr. Malley has been touring the globe, speaking to governments about the ongoing alien invasion (which he believes will last until December 2015) and how to best confront the aliens.  “We have to behave in a proper way when dealing with the Gootans.  If not, we are doomed,”  Malley said.
More: Week LyWorld News

Belo Monte : Le barrage qui met fin à la forêt Amazonienne

Belo Monte : Le barrage qui met fin à la forêt Amazonienne 
On savait la forêt amazonienne en danger, mais le pire reste à venir. Le projet de construction du barrage hydroélectrique de Belo Monte sur la rivière de Xingu a été finalement adopté le 1er juin, par l'agence environnementale brésilienne IBAMA. Au grand dam de Raoni Metuktire (chef de la tribu des Kayapos), d'Amnesty International qui clame le respect des peuples autochtones auprès du gouvernement brésilien et de Nicolas Hulot, candidat aux primaires de l'écologie. 
Malgré les innombrables campagnes de sensibilisation sur la déforestation via tous les supports et médias possibles : chansons, documentaires, films en 3D, bandes dessinées, pétitions, le gouvernement brésilien reste sourd aux réclamations des habitants de l'Amazonie. 
Avec la construction du barrage de Belo Monte, ce n'est pas moins de 1500 km² de forêts qui vont être détruits (sur près 6 millions de km² au total avant la déforestation). Sachant que les peuples indigènes dont les indiens Kayapos (au total près de 7000), se nourrissent essentiellement de la chasse et de la pêche. De plus la forêt amazonienne regorge de plantes médicinales immunisantes dont ils se servent pour se soigner sans avoir à se rendre en ville. Entre mars et avril dernier, 593 km² supplémentaire de forêts ont été détruit. Les poissons vont eux aussi disparaitre de la rivière de Xingu une fois le barrage construit, et les autres espèces animales continuer d'être menacées. 20 000 à 40 000 indiens seront contraints d'ici 2014-2015 de quitter leurs habitats et de se nourrir ailleurs.
Lire la suite: AgoraVox.Fr

"À Margem do Xingu - Vozes Não Consideradas"

"À Margem do Xingu
Vozes Não Consideradas"

Melhor Documentário pelo Juri Popular no IV Festival Paulinia de Cinema
Sinopse:
Em viagem pelo rio Xingu encontramos inúmeras pessoas, moradores de toda uma vida, que serão atingidos pela possível construção da hidrelétrica de Belo Monte. Relatos de ribeirinhos, indígenas, agricultores, habitantes da região de Altamira na Amazônia, assim como especialistas da área compõem parte deste complexo quebra-cabeça. São reflexões sobre o passado obscuro deste polêmico projeto e que elucidam o futuro incerto da região e destas pessoas às margens do Xingu.


Direção: Damià Puig
Fotografia: Bruno Assis
Produção: Rafael Salazar
Ass. Direção: Janaína Welle
Montagem: Helios Vega e Caue Nunes
Som: Cristal Estudios
Finalização: Base Filmes Paulínia
Trilha Sonora Original: Gustavo Ruiz e Paulo Evans
Coord Distribuição Europa: Rafaela Paiva
Coord Distribuição Brasil e EUA: Pedro Ribeiro
Ass. Produção: Carolina Rodrigues, Bruna Kassis, Flavia Ramos & Zeus Moreno.
Montagem deste Teaser: Jano Gomes e Cels Sans

Nova ofensiva per al transvasament de l'Ebre

Nova ofensiva per al transvasament de l'Ebre
La sentència del Suprem que obliga el govern a revisar la negativa al projecte dóna ales a aquells qui hi estan a favor
La Plataforma en Defensa de l'Ebre (PDE) ha alertat aquesta setmana que València i Múrcia han refet el front comú per tornar a reclamar part del cabal del riu. Dimecres, els presidents de la Generalitat Valenciana, Alberto Fabra, i de Múrcia, Ramon Luis Valcárcel, es van reunir per parlar sobre el corredor del Mediterrani, però la reivindicació de l'aigua de l'Ebre també va tenir un lloc destacat a la trobada. Des de la PDE, recorden que Fabra és l'exalcalde de Castelló i un gran defensor “de l'arribada de l'aigua de l'Ebre a les comarques del nord del País Valencià, a través d'un minitransvasament que es faria aprofitant i ampliant el traçat del canal de regadiu Xerta-Sénia”. 
Per una altra banda, segons informa el Periódico Mediterráneo, el PP de Castelló està estudiant la manera de pressionar les Corts estatals. La Diputació, presidida pel popular Javier Moliner, té previst aprovar en el proper ple una moció per exigir al govern central que autoritzi el transvasament. La idea és pressionar l'executiu perquè es pronunciï sobre la sentència del Tribunal Suprem que obliga el govern a justificar per què no permet un transvasament de l'Ebre a Castelló de 90 hectòmetres cúbics anuals. Al 2005, el Ministeri de Medi Ambient, aleshores dirigit per Cristina Narbona, va denegar el permís per silenci administratiu. 
Segons explica El Periódico de Catalunya, Moliner ha demanat el mateix tracte que quatre municipis catalans, que rebran aigua de l'Ebre a través del canal Segarra-Garrigues. Per fer front a aquest argument, la PDE ha reclamat que el govern central es pronunciï “no només respecte a allò que li demana el Suprem, sinó també en referència al transvasament cap a les lleres internes de Catalunya per evitar aquest precedent”, en paraules del portaveu de la plataforma Manolo Tomàs. 

Vandana Shiva raises her voice to ask for a change of energetic model

Vandana Shiva raises her voice to ask for a change of energetic model

Nuclear energy has been the key of yesterday's debate, held at the Foro Social of Rototom, and leaded by the one who - as The Guardian believes - is one of the most important and influent women of the world: Vandana Shiva. Nuclear phisician, environmentalis and a symbol for modern ecologism, this Indian warrior insisted, in front od a numerous public, on the need of a radical change of the current energetic model, in favour of another one leaving nuclear energy apart and investing on the renewable ones.
During this debate - moderated by the journalist Rosa Maria Calaf - Shiva was accompanied by Carlos Bravo, the person in charge of the energetic themes of Greenpeace. From his point of view, nuclear energy turned out to be a "total fail" from the tecnologic, economic, environmental and social points of view. In Bravo's opinion, Fukushima, Chernobil and many other nuclear accidents happened in the world, demonstrated "radioactivity hasn't got any border", so he believes eliminating nuclear energy - main obstacle for the devolopment of renewable energies - is a matter of political will.
Vandana Shiva explained while the average circle of life of a nuclear central is of 20 years, 240.000 years are needed to dispose of its wastes, and she confirmed no other factory will be allowed to cause such a huge damage to the environment. "Saying that nuclear energy is clean, cheap and safe means lying", finishes the Indian environmentalist.
At the same time, Shiva has introduced the parallelism between nuclear energy and Genetically Modified Organisms, criticizeing in both the cases a "lack of responsibility" that comes from the pollution of the planet, the relationships established between "corrupted" companies and the insistence on the models that would never be able to work in an ecologically sustaibable world. "In India we say that if what we would like to do will benefit the seventh generation, we will do it. If not, there's no reason to do it", finished Shiva to show her position toward nuclear energy. She finally appealed for the need moving "mother nature" the the foreground, and cooperate with it to create this energy.
by Celia Naharro Salas | Trad: Nicol Pora

domingo, 21 de agosto de 2011

Manifestações no Brasil, no Pará e no Mundo contra Belo Monte

 MANIFESTAÇÃO EM BELÉM NO PARÁ







Fonte: REDE Os Verdes/via e-mail

Protesto contra Belo Monte congestiona Av. Paulista

Protesto contra Belo Monte congestiona Avenida Paulista
Além de São Paulo, ativistas programaram manifestações em outras 14 cidades, incluindo Brasília e Rio de Janeiro 
Manifestantes participam de passeata do Dia Internacional de Ação em Defesa da Amazônia, em protesto contra a construção da usina de Belo Monte, na Avenida Paulista.
Aproximadamente 300 pessoas fazem nesta tarde uma manifestação na Avenida Paulista, em São Paulo, contra a construção da Usina de Belo Monte, no Rio Xingu, no Pará.
O grupo se reuniu por volta das 14h30 no vão livre do Masp e às 16h20 estava na altura da Rua Haddock Lobo. De acordo com a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET), duas faixas da direita estão bloqueadas, no sentido Consolação. O motorista enfrenta congestionamento da Praça Oswaldo Cruz até a Avenida Doutor Arnaldo.  
O grupo se dirige para a sede do Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis (Ibama), na Alameda Tietê. A Polícia Militar disse que acompanha o protesto, considerado pacífico.  
Os movimentos Brasil pela Vida nas Florestas e Xingu Vivo para Sempre e a Frente Pró-Xingu querem fazer deste sábado - Dia Internacional da Ação em Defesa da Amazônia - um dia de protesto contra a construção da Usina de Belo Monte.
Os ativistas programaram manifestações em 15 cidades, incluindo Brasília e Rio de Janeiro. Segundo os movimentos sociais, haverá manifestações também na próxima segunda-feira, 22, em cerca de 20 cidades em 16 países - entre eles, Estados Unidos, Alemanha, Inglaterra, Noruega, Irã, Turquia e Austrália. Os protestos serão em frente às embaixadas e consulados brasileiros.
Fonte: Último Segundo

sábado, 20 de agosto de 2011

Fotógrafo registra maior caverna do mundo no Vietnã

 O fotógrafo britânico Carsten Peter fez registros inéditos das profundezas da caverna Hang Son Doong, no Vietnã 
Fotógrafo registra maior caverna do mundo no Vietnã
Usado como esconderijo na guerra, local foi redescoberto por exploradores em 2009 
O fotógrafo britânico Carsten Peter fez registros inéditos das profundezas da caverna Hang Son Doong, no Vietnã, a maior do mundo. A passagem subterrânea é tão grande que seu fim ainda não foi encontrado.
Hang Son Doong é parte de uma galeria de 150 cavernas no Parque Nacional Phong Nha-Ke Bang, a cerca de 500 quilômetros da capital, Hanoi. 
Peter acompanhou uma equipe da Associação Britânica de Pesquisa de Cavernas, que descobriu a entrada do local em 2009. A caverna já havia sido usada como esconderijo contra os bombardeios americanos durante a Guerra do Vietnã. 
As novas expedições mostram que o espaço tem pelo menos 4,5 quilômetros e chega a 140 metros de altura em algumas partes. 
Por causa da descoberta, a passagem subterrânea vietnamita passou a ser considerada a maior do mundo, ultrapassando a Caverna do Veado, na ilha de Bornéu, que tem 1,6 quilômetro de comprimento e 91 metros de altura. 
Peter, que é explorador há 35 anos, descobriu até mesmo uma floresta escondida dentro da caverna. 
"Visitei tantas cavernas que perdi a conta, mas esta é certamente uma das mais únicas e incomuns que já vi", disse o fotógrafo. 
Fonte: BBC Brasil

Tiririca diz que deputados produzem pouco e Câmara é "fábrica de loucos"

Tiririca diz que deputados produzem pouco e Câmara é "fábrica de loucos"
Em entrevista à coluna de Mônica Bergamo, do jornal “Folha de S. Paulo”, o deputado Francisco Everardo Oliveira Silva, o Tiririca (PR), quebrou o silêncio adotado para evitar polêmicas e mostrou certo descontentamento com o trabalho como parlamentar. Para ele, a Câmara é “uma fábrica de loucos”, onde se vara a madrugada em sessões em que “ninguém escuta ninguém”.
Questionado se já sabe o que faz um deputado (já que em sua propaganda eleitoral pedia ajuda dos eleitores para descobrir), Tiririca sintetizou: “É uma pessoa que trabalha muito e produz muito pouco".
Com 1,3 milhão de votos, Tiririca foi o deputado federal mais votado nas últimas eleições. Ele usava o slogan “Vote Tiririca. Pior que tá não fica”. Mas o humorista quase ficou de fora da Casa, devido a denúncias de analfabetismo. Agora firme na vida política e assíduo, apesar de calado, o deputado vem atuando como garoto-propaganda do desgastado PR.
Leia mais, click aqui

A Copa, os “contra” e a incapacidade

A Copa, os “contra” 
e a incapacidade
Por Henrique Wittler* 
É impressionante o que gera de desculpas a incapacidade administrativa de alguns políticos que afrontando leis procuram fazer projetos mirabolantes, ou doação de áreas públicas, entregando-os à exploração particular com vantagens de alto lucro. Entre eles está a área das cocheiras do Jóquei Clube, que pertencia ao Estado, mas foi vendida por nada menos de R$ 500 milhões, que foram parar nos bolsos daquela entidade.
Pode-se citar a área do Humaitá que pertencia ao Estado e foram parar nas mãos da Construtora OAS, sobrando ao Grêmio apenas nove hectares do total de 37 hectares, neste caso, gerando um lucro à construtora de no mínimo R$ 300 milhões. Também a área do Cais da Mauá, que permitirá ao investidor uma receita anual de mais R$ 80 milhões contra um aluguel de apenas R$ 1.250 mil possibilitará um lucro muito significativo em comparação à falta de recursos para obras. Em face da sua recente exoneração, um secretário municipal, em e-mail ao prefeito, aponta como um dos fatores de atraso nas obras da Copa a falta de projetos que tiveram que ser feitos pela iniciativa privada, por não ter recursos. Talvez o dinheiro das áreas dadas de presente, se quem as vende-se fosse o Estado, poderia ter coberto o custo dos projetos e das obras. 
Por outro lado, o secretário afirma, entrelinhas, a falta de capacidade do corpo de engenheiros e arquitetos da prefeitura, que não sabem elaborar simples projetos de ruas, praças e avenidas. Tudo isto que vem ocorrendo é aquela conhecida luta, a luta para definir a quem cabe a parte maior da receita. Tentando acalmar o secretário e desviar o assunto, responde o prefeito, creditando toda incompetência à “turma do contra”. Deve saber o senhor prefeito que as ações dessa “turma” são contra a entrega de áreas públicas às construtoras, altos índices construtivos que afetam as vizinhanças, como também contra todas as obras que desrespeitam as leis, sejam municipais, estaduais ou federais. Sabe o senhor prefeito que foi graças a essa “turma”, que a área da FASE, que valia mais de R$ 1 bilhão, não foi permutada com uma construtora, por obras que não custariam mais de R$ 60 milhões (sim, milhões). Lembramos ao prefeito que essa “turma”, como ele diz, é composta de cidadãos que pagam seus impostos e que não têm a facilidade que têm alguns políticos de enriquecimento do dia para a noite. 
*Engenheiro civil, perito ambiental e professor universitário

Internet: Lei Azeredo viola privacidade

 Internet: Lei Azeredo 
viola privacidade 
O poeta romano Juvenal (60 – 120 aC.) autor do livro As Sátiras — já àquela época preocupado com o poder censório do Estado —, tem um personagem na Sátira VI a certa altura pergunta: “quis custodiet ipsos custodes” (Quem vigia os vigilantes?) 
Declaração Universal dos Direitos Humanos. Acordo internacional ratificado pelo Brasil.
Artigo XIX: “Todo ser humano tem direito à liberdade de opinião e expressão; este direito inclui a liberdade de, sem interferência, ter opiniões e de procurar, receber e transmitir informações e idéias por quaisquer meios e independentemente de fronteiras.” 
Leia mais, click aqui
Fonte: Blog do Mesquita

Dia Mundial de Luta Contra Belo Monte - Brasil

Organizações ambientais realizam hoje (20 de agosto) ato mundial contra Usina Belo Monte
Por Jeane Freitas
Jornalista da Adital 
O Movimento Xingu Vivo para Sempre, o coletivo de organizações, movimentos sociais de ambientalistas da região de Altamira, e o Movimento Brasil pela Vida nas Florestas realizarão neste sábado (20 de agosto), das 14h às 17h, um Ato Mundial contra Belo Monte, hidrelétrica que será construída no estado do Pará, região Norte do Brasil. O ato mobilizará vários estados brasileiros e diversos países como Austrália, Canadá, Inglaterra, França, Alemanha, Indonésia, México, Holanda, Escócia, Taiwan, Turquia e Estados Unidos. 
No Brasil, 15 cidades participam da mobilização, dentre elas São Paulo. As entidades estarão mobilizadas para fazer, na tarde de amanhã, um grande momento de denúncia, protestos e danças circulares com os indígenas de Kalapalo da região do Xingu de Mato Grosso, que residem no estado. O cacique Kaiapó Megaron Txuxarramãe, juntamente com o cacique Raoni Metuktire, simbolizam a resistência de mais de 20 anos contra os projetos de hidrelétricas no rio Xingu. 
Para Sany Kalapalo, da tribo dos Kalapalo, que mora em São Paulo há nove anos e é uma das organizadoras do evento, "Belo Monte é uma ameaça, uma guerra e por isso o ato terá um sentido de vitória”. Ela afirma que essa é a segunda vez que o evento acontece, porém esse ano tem um sentido diferente, porque estão fortalecidos pela presença de muitas entidades. 
Segundo Marcos Antonio Morgado, membro do Movimento Brasil pela Vida das Florestas, "o ato quer trazer a pauta que estava sedimentada sobre a revogação da aprovação da hidrelétrica. Com a revogação, será possível realizar consultas públicas e audiências que assegurem o direito da comunidade que está diretamente ameaçada”. 
Para o Movimento Xingu Vivo para Sempre, o ato global acontece no momento em que a população brasileira tem testemunhado inúmeros casos de agressões contra a Amazônia e os povos das florestas provocadas por decisões independentes do governo sem o consentimento das comunidades nativas. "O governo não pode fazer o que bem entende só porque é governo”, criticam. 
Dentre as agressões apontadas pela coordenação da mobilização estão a autorização que o governo cedeu para dar início à construção de Belo Monte; a aprovação do Código Florestal que diminuiu a proteção das matas; a violência na região da Amazônia que continua vitimizando as lideranças comunitárias, para citar apenas algumas. 
Estima-se que serão investidos cerca de 30 bilhões na construção da usina, sendo que 80% será dinheiro público do Banco Nacional de Desenvolvimento (BNDES). Apesar da propaganda governamental de que a hidrelétrica será a 3ª maior do mundo, a produção de eletricidade não passará de 39%. 
Para alertar a sociedade sobre esta situação, o Movimento Xingu Vivo para Sempre e outras entidades estudam a possibilidade de puxar uma campanha intitulada "Belo Monte - com meu dinheiro não”, para que a população não assista à distância os bancos públicos e privados aplicarem seus investimentos para destruir a floresta e seus nativos.
Hidrelétrica de Belo Monte 
Belo Monte é um projeto de construção de usina hidrelétrica previsto para ser instalado em um trecho de 100 quilômetros no Rio Xingu. Sua potência instalada será de 11.233 MW, o que fará dela a maior usina hidrelétrica inteiramente brasileira, visto que a Usina Hidrelétrica de Itaipu está localizada na fronteira entre Brasil e Paraguai. 
Desde a concepção do projeto da hidrelétrica, povos indígenas, ribeirinhos, ambientalistas e movimentos sociais lutam contra a transformação de Belo Monte em realidade, visto que a obra afetará para sempre o meio ambiente e a população local. O Ministério Público Federal (MPF) também vem empreendendo uma luta para que o processo seja justo. Na última quarta (17), o MPF no Pará impetrou a 13ª Ação Civil Pública contra Belo Monte, argumentando que a seca de parte do Xingu causará inevitavelmente o deslocamento das populações indígenas locais.
Fonte: Adital

A internet ameaçada

 
A internet ameaçada 
Por Emiliano José * 
Está em curso no Brasil uma clara luta política, envolvendo a internet. Que ninguém se engane: é uma luta política. Há a posição dos que acreditam, como eu e vários outros deputados e deputadas, como Paulo Teixeira, Luiza Erundina, Jean Willis, Manuela D´Avila, Paulo Pimenta e tantos outros, que primeiro é o caso de garantir a existência de um marco civil garantidor das liberdades, uma espécie de orientação básica do direito humano de acesso à internet, hoje um instrumento fundamental para o desenvolvimento da cidadania, da cultura, da educação e da própria participação política. 
E a posição dos que se apressam a procurar mecanismos de criminalização dos usuários da rede, que hoje no Brasil, com todas as dificuldades de acesso, já chegam perto dos 70 milhões. Como pensar primeiro no crime face a essa multidão, e depois na liberdade de acesso? Só os conservadores, interessados em atender a evidentes interesses econômicos, podem pensar primeiro na criminalização e só então nos direitos democráticos dos usuários. 
Creio que a internet, tenho dito isso com frequência, é uma espécie de marco civilizatório, que mudou a natureza da sociabilidade contemporânea, a relação entre as pessoas e os povos, mudou a própria política, impactou a própria noção de representação. Constitui um admirável mundo novo, a ser preservado sob um estatuto de liberdades, e não constrangido sob uma pletora de leis criminalizantes. Talvez seja o seu potencial revolucionário, a possibilidade que ela dá de articulação em rede, que provoque urticária nos conservadores. Talvez, não. Certamente. 
Nos últimos dias, os defensores da criminalização navegam num cenário de representação terrorista, como se os últimos ataques de hackers a sites governamentais fossem uma absoluta novidade e como se uma legislação que criminalize usuários ou tente colocá-los sob o guante de um vigilantismo absoluto fosse segurança suficiente para a ação dos hackers. Os ataques aos sites governamentais não tiveram qualquer gravidade, foram coisas de amadores, como já se provou. E curioso é que só tenham sido atacados sites do governo. Não é que não haja leis ou que não deva haver. Deve. Mas, devagar com o andor que o santo é de barro. 
Primeiro, vamos pensar nas liberdades. Não devemos nos apressar, como pretende o deputado Azeredo, com o projeto de criminalização de usuários, a pretender uma vigilância absurda ao acabar com a navegação anônima na rede, ao querer guardar por três anos os dados de todo mundo nos provedores, ao estabelecer uma espécie de big brother pairando sobre a multidão de navegantes, que tem o direito de liberdade de expressão e não podem estar submetidos ao grande irmão. 
O governo federal se preocupou com isso, com as liberdades, e instalou uma consulta pública sobre o Marco Civil da Internet no Brasil de forma a construir democraticamente um sistema garantidor de princípios, garantias e direitos dos usuários da internet, o que é a atitude mais correta, e primeira, se quisermos tratar a sério das coisas da rede.
Entre outubro de 2009 e maio de 2010 a consulta se desenvolveu, com ampla participação, e, ao que sabemos, o marco civil foi elaborado, só faltando a assinatura do Ministério do Planejamento para voltar à Casa Civil da Presidência da República, para então, assinado pela presidenta Dilma, chegar à Câmara Federal. 
Não se trata de primeiro chamar a polícia. Primeiro, vamos garantir liberdades e direitos. Depois, pensar na tipificação dos crimes. Até porque a ideia de que colocar na cadeia um bocado de jovens usuários resolve o problema é uma ilusão de bom tamanho. Os hackers, os mais competentes, os mais habituados aos segredos da rede, costumam entrar em sistemas sofisticados sem grandes dificuldades. A própria rede, no entanto, tem condições amplas de desenvolver sistemas de prevenção, de segurança, reconhecidamente eficientes, embora não se possa dizer nunca que invioláveis. 
Creio que o melhor é baixar a bola, insistir junto ao governo para o envio o mais rápido possível do projeto do marco civil da internet para o Congresso, e depois disso, então pensar na tipificação dos crimes e nas punições possíveis, sem nunca mexer nas liberdades dos usuários, e sem estabelecer quaisquer medidas que visem acabar com a navegação anônima, até porque isso, sem dúvida, seria mexer com o princípio sagrado das liberdades individuais e confrontaria com a própria Constituição. 
No dia 13 de julho, foi realizado um seminário na Câmara Federal, com a participação de especialistas e de setores da sociedade civil, para debater o assunto. O seminário foi resultado de uma proposta minha, com a visão que expresso aqui, e outra do deputado Sandro Alex, que tem uma visão diversa, embora, como me disse, disposto ao diálogo para chegar a um consenso. Nós juntamos as duas iniciativas, e o debate foi muito esclarecedor de que interesses estão em jogo. 
De um lado, aqueles que defendem o projeto Azeredo, estiveram empresas de segurança da área da informática, escritórios de advocacia interessados nos clientes que o projeto Azeredo vai criar, e setores conservadores do Judiciário. Do outro lado, entre os que sustentam as posições que tenho defendido, os que defendem a liberdade na internet e que demonstraram o quanto de atraso poderia significar a aprovação desse projeto, que a rede dos libertários chamou com propriedade de AI-5 digital da internet. 
Ficou evidente, durante o seminário, que o projeto Azeredo, além de tudo, atende aos interesses do mundo das empresas que defendem os direitos autorais no sentido mais conservador, inclusive dos grandes centros da indústria cultural dos EUA. É que o projeto pretende impedir a prática tão comum da maioria dos internautas de baixar músicas, por exemplo. Milhões de pessoas seriam criminalizadas se o AI-5 digital fosse aprovado. Os militantes digitais que se colocam contra o projeto entregaram ao presidente da Comissão de Ciência e Tecnologia, Bruno Araújo, do PSDB, durante o seminário, por proposta minha, um abaixo-assinado com mais de 163 mil assinaturas contra o projeto, a evidenciar o quanto de revolta ele tem provocado.
Há a previsão de que o projeto seja votado logo no início de agosto deste ano. Lutamos para que não fosse votado imediatamente, como se pretendia, e justiça se faça, o deputado Azeredo concordou com o adiamento. Creio, no entanto, que o melhor seria, como já disse, aguardar a chegada do marco civil para só depois, então, pensar na tipificação de crimes. E vamos tentar isso. Na verdade, o projeto é muito ruim e não deveria ser aprovado. O importante é que todos estejam atentos para que a democracia não seja atingida, para que a liberdade na internet não seja violentada.
* Emiliano José é jornalista, escritor, doutor em Comunicação e Cultura Contemporânea pela Universidade Federal da Bahia.

O fim dos tempos

 O fim dos tempos
Os escândalos de corrupção se sucedem nos ministérios dos Transportes, Cidades, Turismo e Agricultura.
 E Zero Hora publicou ontem, de modo incrível, que os governistas estão queixosos da postura da presidente Dilma Rousseff diante dos escândalos, demitindo os envolvidos e dando livre trânsito às investigações e prisões. 
O que é que queriam “os governistas”? Que a presidente defendesse e ocultasse os corruptos? 
O líder do PTB na Câmara Federal, deputado Jovair Arantes (GO), chegou ao despautério de declarar o seguinte: “Não podemos transformar o país em uma delegacia de polícia. Que história é essa?”. 
É muita cara de pau.
Um dos líderes da base aliada condenando o combate à corrupção.
O que leva a concluir que tanto ele apoia os corruptos quanto se beneficia com isso.
Dizem os governistas, ainda segundo ZH de ontem, que a postura de Dilma Rousseff é uma tentativa de mostrar que o Planalto e o Judiciário são “bons”, enquanto os políticos são “ruins”. 
Ou seja, o lodaçal se espalha, combatido aqui e ali elogiosamente pela Polícia Federal, e políticos da base aliada, de modo visível, querem pressionar a presidente a dar ordens à Polícia Federal para sustar as investigações: é outro escândalo dentro do escândalo. 
Quase não se chega a acreditar que, no meio político, a falta de vergonha tenha chegado ao ponto de se exaltar a corrupção e pregar que o governo não a reprima. Quase não se chega a acreditar. 
E a Polícia Federal, há muitos anos, vem dando mostras de que é uma das últimas reservas morais da nação. 
Transmite-se vivamente de Brasília a impressão de que governo e democracia não funcionam sem uma base aliada e que, mal ela se consagra, instalam-se nos ministérios bolsões imensos de corrupção sob o pretexto da governabilidade. 
Imagina-se que os partidos da base aliada se especializaram em equipes encarregadas de transferir grandes nacos das verbas públicas para os bolsos de seus integrantes, através de fraudes, achaques, “mordidas”, sórdidas “comissões”, calculando-se que o Brasil já atinja cerca de 35% de todas as dotações destinados à corrupção. 
Parece que chegamos ao fim dos tempos nesse passeio triunfal dos corruptos em torno aos governos. 
E a todo esse espetáculo assiste estarrecido o povo, a julgar pelo teor específico dos e-mails que são enviados à imprensa e a esta coluna diariamente, entre protestos e desolações.
Coluna de Paulo Sant'ana na ZH