domingo, 29 de julho de 2012

A expressão é curta e desafiadora: Lixo Zero

Rodrigo Sabatini
A expressão é curta e 
desafiadora: Lixo Zero
O fim é reduzir a quase nada o volume de resíduos que têm como destino os aterros sanitários das cidades.
O método? 
Alterar a mentalidade e a forma como as pessoas se relacionam com o lixo, oferecendo condições para que a mudança ocorra.
Quem espalha a boa ideia é Rodrigo Sabatini, engenheiro civil formado pela UFSC e presidente da Novociclo Ambiental.
ASSISTA O VÍDEO:
Fonte: REDE Os Verdes/via Facebook

Ativistas querem acabar com alvos de guerra que afundam no mar

Ativistas querem acabar com alvos de guerra que afundam no mar 
Três navios vão afundar em águas havaianas nos próximos meses, como parte do treinamento militar que a Marinha americana realiza a cada dois anos. Os ambientalistas estão se mobilizando para impedir a prática no futuro. Nos últimos 12 anos, 109 embarcações foram a pique durante o tiro ao alvo internacional, participam navios, aviões e submarinos de 22 países. 
Os ambientalistas dizem que cada estrutura que afunda no mar possui quilos de bifenilos policlorados, componentes que se acumulam em seres marinhos e podem ser neurotóxicos, além de asbesto e metais pesados.
A EPA (Agência de Proteção Ambiental dos EUA) estima que cada navio-alvo gere 50 kg da substância. 
Os ativistas citam uma alternativa viável, já mencionada por especialistas militares, que poderia resolver o problema. No lugar dos navios, seriam usados alvos infláveis ou simulações. 
O impacto no mar ainda não foi dimensionado em sua totalidade. Os navios-alvo foram construídos antes dos bifenilos serem considerados tóxicos e em uma época em que as fábricas não eram obrigadas a informar sobre os produtos químicos tóxicos usados. 
A pedido da "New Scientist", Rainer Lohmann, da Universidade de Rhode Island, calculou os níveis de bifenilos que seriam jogados no mar. Segundo ele, não chegam a ameaçar a vida marinha significativamente. Mas disse que o treinamento "não é uma atitude ética". 
Os ambientalistas reclamam que a EPA considera ilegal qualquer despejo considerado tóxico em águas americanas, menos o que está sendo feito pela Marinha.
"A Marinha deveria seguir as regras como todo mundo", disse Todd True, do Earthjustice, em São Francisco, que representa três grupos que apresentaram uma reclamação formal contra a EPA em dezembro.
Fonte: New Scientist

La desaparición de los arrecifes de coral es un problema para la sociedad

La desaparición de los arrecifes de coral es un problema para la sociedad 
2.600 científicos alertan de la rápida disminución de los arrecifes de coral en el mundo, recordando que requieren un esfuerzo mundial para salvar lo que queda. Con los arrecifes de coral de todo el mundo en rápido declive es imprescindible hacer todo lo posible para salvar lo que queda de ellos, afirman los investigadores marinos que se reunieron recientemente en Australia con motivo del XII Simposio Internacional sobre Arrecifes de Corales. 
En una acción sin precedentes, 2.600 investigadores marinos de prestigio de todo el mundo hicieron pública la Declaración de Consenso sobre Cambio Climático y Arrecifes de Corales. Esta declaración requiere un esfuerzo a nivel mundial para superar las crecientes amenazas que afectan a los ecosistemas coralinos y para la subsistencia de millones de personas que dependen de ellos. Proponen medidas para hacer frente al aumento de temperatura del mar, la acidificación de los océanos, la sobrepesca y la contaminación terrestre.
El profesor Terry Hughes, Coordinador del Simposio y Director del Centro ARC de Excelencia para Estudios de Arrecifes de Coral, dijo: “Existe una ventana para que el mundo actúe sobre el cambio climático pero se está cerrando rápidamente”. Jeremy Jackson, científico senior, de Smithsonian Institution afirmó en su intervención que los arrecifes de todo el mundo han disminuido drásticamente en las últimas décadas. En el Caribe, por ejemplo, en los últimos 35 años el arrecife coralino ha pedido entre el 75-86% de su superficie.
Incluso la Gran Barrera de Coral, el ecosistema arrecifal mejor protegido del planeta, ha sido testigo de una disminución del 50% en los últimos 50 años. Jackson agregó que el cambio climático está facilitando su rápida disminución, por lo que hizo un llamamiento para proteger mejor los arrecifes de coral. Pero el cambio climático también está causando un aumento de sequías, provocando pérdidas en agricultura y el aumento del nivel del mar a un ritmo cada vez más rápido que implica un gran problema para la sociedad. “Eso significa que lo que es bueno para los arrecifes es importante también para la gente y debemos tomar conciencia de ese hecho “, dijo Jackson.
“El futuro de los arrecifes de coral no es una versión marina de abraza-árboles, sino un problema central para la humanidad”. Stephen Palumbi, director de la Estación Marina de la Universidad de Stanford, afirmó que los gobiernos deben cumplir con los compromisos de reducción de gases de efecto invernadero. Sin embargo, agregó, también se tiene que hacer frente a las amenazas locales, como el desarrollo deficiente de las tierras y la prácticas de pesca insostenibles. 
La investigación ha demostrado que los arrecifes saludables son más resistentes al cambio climático y se recuperan más rápidamente de daños como el blanqueamiento. Algunas acciones locales positivas incluyen la recuperación de poblaciones de peces, reducir la escorrentía y contaminación nociva, la prevención de la destrucción de  hábitats y el establecimiento de más áreas marinas protegidas.
Más en Canal Azul 24

No habrá un Santuario para ballenas en el Atlántico Sur

No habrá un Santuario para ballenas en el Atlántico Sur
Los países lationamericanos han visto como, por primera vez y después de 11 años de intentos, se votaba su propuesta en el pleno en la 64 Reunión de la Comisión Ballenera Internacional. Los países latinoamericanos y caribeños, representados en el llamado Grupo de Buenos Aires, lideran el sector conservacionista dentro de la CBI, recibieron un duro revés en sus aspiraciones de crear un Santuario Ballenero en el Atlántico Sur. 
Los latinoamericanos, que lideran el sector conservacionista dentro de la Comisión Ballenera Internacional (CBI), reunidos en Panamá hasta el 6 de julio, han señalado que fue una jornada «histórica», ya que, «por primera vez» y después de 11 años de intentos fallidos, su propuesta fue votada en el pleno. 
Los países latinoamericanos y caribeños, representados en el llamado Grupo de Buenos Aires, han anunciado que insistirán en el asunto en futuras reuniones del organismo, creado en 1946 e integrado por 89 países en la actualidad. El Grupo de Buenos Aires, formado por Argentina, Brasil, Chile, Colombia, Ecuador, República Dominicana, Costa Rica, Panamá, Perú, Uruguay y México, surgió en 2005. 
La proposición latinoamericana recibió el respaldo de 38 de los 61 países presentes en la reunión (65%), pero los estatutos de la CBI establecen que las resoluciones deben ser aprobadas por el 75% de los países presentes en el pleno. Dos miembros se abstuvieron y 21 votaron en contra de la inciativa, presentada por primera vez en el 2001 por medio de Brasil y con el apoyo de Argentina.
Las tácticas dilatorias implementadas por los países que promueven la caza comercial, liderados por Japón, habían impedido hasta ahora que se votara la cuestión del Santuario de ballenas en el Atlántico Sur.
Tal situación ha generado dudas sobre la capacidad de la CBI para asumir el reto de la conservación de los cetáceos. Algunos sectores ambientalistas, de hecho, han sugerido que sea otro organismo, e incluso la ONU, la que tome las riendas del asunto. 
Mar Austral y Océano Índico 
En los santuarios está prohibida la caza comercial de ballenas. Hoy existen dos: el del Mar Austral y el del Océano Índico, establecidos por la CBI en 1994 y 1979, respectivamente, que representan cerca de un tercio de los mares mundiales.
Más en Canal Azul 24

quarta-feira, 25 de julho de 2012

Atividades de defesa e conscientização marcarão Dia Internacional dos Manguezais

Atividades de defesa e conscientização marcarão Dia Internacional dos Manguezais 
Por Natasha Pitts 
As populações que sobrevivem dos mangues e que respeitam este ecossistema se reúnem mais uma vez no marco do Dia Internacional dos Manguezais – 26 de julho – para realizar ações em defesa deste patrimônio. Também serão realizados atos para conscientizar sobre a importância de se preservar os mangues evitando as podas, a contaminação e a criação industrial de camarões. 
No Equador, a Coordenadora Nacional para a Defesa do Ecossistema Manguezal (C-Condem) e a Fundação de Defesa Ecológica (Fundecol), junto a outras federações estão realizando nesta quarta (25) e quinta-feira (26) um evento de mobilização, reflexão e expressão cultura para ajudar a recuperar o mangue. O evento tem como tema "Mangues sim, camarões não. Para recuperar nossos territórios”. 
O evento contará com a participação de cerca de 300 delegados das províncias de Esmeraldas, Guayas, Manabí, Santa Elena, El Oro e Pichincha, na ilha de Muisne, em Esmeraldas, para debater a atual situação dos mangues, ecossistema considerado ‘território de vida’ dos povos ancestrais, pescadores e coletores artesanais da costa equatoriana. Além dos debates serão realizadas caminhadas, vigílias, romarias, reflorestamento do manguezal e atividades culturais. 
Em outros países contemplados com este ecossistema também serão realizadas nesta data ações de sensibilização sobre a destruição dos mangues e os impactos sócio-culturais e econômicos nas comunidades de pescadores e coletores artesanais. As campanhas buscam divulgar a importância de se recuperar e conservar os mangues, assim como estimulam as populações a denunciar a criação industrial de camarão, principal responsável pela destruição de mangues. 
As ações são necessárias, pois a situação dos manguezais em muitas regiões é delicada devido à contaminação, poda indiscriminada de plantas, aterramento de mangues para a edificação de mega-empreendimentos e criação de camarão, atitudes que causam, entre outros problemas, empobrecimento de pescadores e coletores, desalojamentos, perda da biodiversidade local e degradação ambientais.
Os mangues têm grande diversidade biológica com alta produtividade e abrigam inúmeras espécies de aves, peixes, crustáceos e moluscos. A vegetação deste ecossistema funciona como uma proteção natural contra ventos fortes, maremotos e ondas produzidas por furacões. Em países como Tailândia, Filipinas e Índia chega-se a plantar a vegetação do mangue para se prevenir estes fenômenos. 
Dia Internacional dos Manguezais 
A data faz referência a 26 de julho de 1998, dia da morte de Hayhow Daniel Nanoto, ativista do Greenpeace, originário da Micronésia (Oceania), que sofreu um ataque cardíaco enquanto participava de protestos organizados pela Fundação de Defesa Ecológica (Fundecol) e pelo Greenpeace Internacional. As ações aconteciam em Muisne (Equador) e tinham como finalidade desmontar um tanque de criação ilegal de camarões para permitir que a área de mangue se recuperasse. 
A partir de 1998, a Fundção e outras organizações passaram a comemorar o 26 de julho como dia para relembrar a luta e renovar os esforços para salvar os mangues. E o mesmo passou a ser feito por organizações, movimentos sócio-ambientais e pescadores/as de outros países que no dia 26 de julho se reuniam para fortalecer a luta pela preservação dos mangues. 
Em setembro de 2004, durante a Segunda Assembleia Geral da Redmanglar Internacional, a data foi oficialmente declarada como Dia de Defesa dos Mangues.
Fonte: ADITAL

domingo, 22 de julho de 2012

Cientistas e ativistas convocam a mudar o rumo da luta contra o HIV

Cientistas e ativistas convocam a mudar o rumo da luta contra o HIV
Com um chamado global para aumentar os recursos em investigações sobre o HIV e a AIDS, garantir o acesso universal aos serviços de prevenção, tratamento e cuidado do HIV e para terminar com o estigma, a discriminação e as violações aos direitos humanos das pessoas soropositivas, cientistas, ativistas e cidadãos preocupados com a situação global da pandemia, foi emitida a Declaração de Washington, a quase duas semanas do início da XIX Conferência Internacional sobre a AIDS que será realizada nessa cidade.
Titulada "Mudando o rumo juntos. Uma Declaração para terminar com a Epidemia”, a Declaração emitida pela Sociedade Internacional de AIDS (IAS por sua sigla em inglês), a Universidade da Califórnia em São Francisco e o Comitê Organizador da XIX Conferência Internacional sobre a AIDS propõem novos pontos para melhorar as estratégias de prevenção e tratamento do HIV.
Entre eles, propõe-se aumentar os investimentos na área, assegurar a prevenção, o tratamento e a atenção do HIV baseado na evidência científica, pôr fim ao estigma, a discriminação, as sanções legais e ao abuso dos direitos humanos contra pessoas que vivem com o HIV, aumentar as análises do HIV, o assessoramento e a articulação dos serviços de prevenção, atenção e apoio, dar tratamento a todas as mulheres grávidas e em fase de amamentação que convivem com o HIV, assim como ampliar o acesso ao tratamento antirretroviral a todos os que necessitam.
Além disso, identificar, diagnosticar e tratar a tuberculose, acelerar as investigações sobre novas ferramentas para o tratamento e a prevenção do HIV, incluindo métodos inovadores como a profilaxia pré-exposição (PrEP) e os microbicidas e dar um lugar central na mobilização às comunidades afetadas.
O documento sublinha que é necessária uma cura e uma vacina para o vírus e que para isso devem ser ampliados os recursos e esforços mediante o uso das ferramentas como as que se utilizam hoje em dia para frear o número de novas infecções e melhorar a saúde das pessoas com o vírus.
Por outro lado, a Declaração exorta aos governos, aos sistemas de saúde, as organizações acadêmicas e a sociedade civil a se esforçarem para conseguir métodos multidisciplinares que respeitem e defendam os direitos humanos e a dignidade das pessoas afetadas pela pandemia.
Sobre isso, Elly Katabira, presidente da IAS, assinalou mediante um comunicado à imprensa que a humanidade está de frente com uma oportunidade única de se encaminhar ao fim da pandemia devido aos grandes avanços da ciência.
No entanto, esclareceu, a resposta global frente à AIDS enfrenta desafios financeiros e por isso, através da Declaração, pede-se aos líderes mundiais de todos os setores mundiais que apoiem com recursos essa oportunidade única para a humanidade.
Para fortalecer a proposta, os criadores da Declaração convidam a assinar o documento, cuja finalidade é ser entregue aos diversos tomadores de decisão presentes durante a XIX Conferência Internacional sobre a AIDS que acontecerá em Washington DC de 22 a 27 de julho. O texto pode ser assinado e visto na íntegra em www.dcdeclaration.org ou www.2endaids.org.
A notícia é de Notiese
Fonte: ADITAL

Política Nacional de Resíduos Sólidos: Mais uma lei que não pegou

Política Nacional de Resíduos Sólidos: Mais uma lei que não pegou
Artigo de Washington Novaes
Teremos mais uma “lei que não pegou”, a que institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos (12.305/10). Aprovada pelo Congresso Nacional, a lei deu prazo até o próximo dia 2 de agosto para que todos os 5.565 municípios apresentem ao governo federal planos e ações para essa área, consolidados em cada um no Plano Municipal de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos, sem o qual não poderão receber transferências voluntárias de recursos da União. Quantos municípios o terão apresentado? Certamente, uma minoria ínfima. Porque os planos deverão determinar o fim dos “lixões” (que são mais de 2.900 em 2.810 municípios), a logística reversa (para recolhimento de embalagens pelos geradores), planos de coleta seletiva em todos os municípios (só 18% deles os têm para pequenas partes do lixo, menos de 1,5% vai para usinas públicas; a Holanda recicla 80%), possíveis consórcios intermunicipais. Isso quando se afirma que o País gera por dia mais de um quilo de lixo domiciliar por pessoa, mais de 200 mil toneladas/dia, mais de 60 milhões de toneladas/ano.
Diz o Ministério do Meio Ambiente que não prorrogará o prazo. Mas, na verdade, a lei começou a não ser cumprida ainda no Congresso, quando o relator do projeto aprovado na Câmara dos Deputados, senador Demóstenes Torres, em combinação com outros senadores, suprimiu do projeto o dispositivo que só permitia incineração do lixo se não houvesse outra possibilidade – reaproveitamento, reciclagem, aterramento – e não o devolveu à Câmara, como manda a legislação; mandou direto para o então presidente Lula, que o sancionou. Ante os protestos de cooperativas de recolhimento e reciclagem, prometeu mudar na regulamentação da lei – mas não o fez.
O panorama brasileiro na área é constrangedor. Metade do lixo domiciliar total, que é orgânico, poderia ser compostada e transformada em fertilizantes (para canteiros, jardins, parques, replantio de encostas, etc.), mas é sepultada e apressa o fim dos aterros, assim como centenas de milhares de toneladas anuais de resíduos agroindustriais (aproveitáveis para gerar energia). Uma ideia brutal do desperdício é o recém-fechado Aterro de Gramacho (RJ), onde, ao longo de 34 anos, se formou uma montanha de 70 metros de altura e 1.300 quilômetros quadrados de resíduos, sem coleta de chorume e metano (l8 mil metros cúbicos por hora). Para servir ao Rio de Janeiro e mais quatro municípios.
Com tantos desperdícios as despesas municipais com o lixo vão para as alturas. A cidade de São Paulo, por exemplo, já próxima de 18 mil toneladas diárias, só em varrição gasta R$ 437 milhões anuais para pagar a cinco empresas de limpeza de ruas (Estado, 28/11/2010). Ainda assim, segundo o IBGE, o lixo espalha-se nas ruas onde estão as casas de 4% dos paulistanos, perto de 500 mil pessoas (Folha de S.Paulo, 6/7). E 400 toneladas a cada dia têm ido parar na Represa Billings (Estado, 28/11/2010). O custo de um novo aterro para a cidade foi orçado (26/3/2010) pelas empresas de limpeza em mais de R$ 500 milhões, para receber apenas 2 mil toneladas diárias.
Não é um drama paulistano apenas, é global. O mundo, diz a revista New Scientist (4/8/2010), já produz mais de um quilo de resíduos por pessoa por dia nas cidades, 4 milhões de toneladas diárias, mais de 1 bilhão de toneladas anuais. É um dos componentes da insustentabilidade do consumo global, tão discutida na recente Rio+20. O desperdício na maior cidade norte-americana é de um quarto a um terço dos alimentos, em cujos produção, distribuição e processamento são consumidos 15% da energia total no país (e este, com 5% da população mundial, consome 20% da energia total). Cada família desperdiça US$ 600 por ano com alimentos que nem chega a consumir.
Será inútil esperar que o Ministério do Meio Ambiente possa socorrer os municípios que disserem não ter recursos para cumprir a lei da Política Nacional de Resíduos Sólidos. Seu orçamento total para este ano (Contas Abertas, 2/7) não passa de R$ 4,1 bilhões, menos de 1% do Orçamento da União, e está contingenciado em R$ 1,1 bilhão. Não tem recursos sequer para suas tarefas básicas, para a fiscalização, para quase nada.
Continuará o desperdício. Já tem sido mencionado neste espaço estudo da Unesp-Sorocaba em Indaiatuba (125 mil habitantes) que mostrou serem reutilizáveis ou recicláveis 91% dos 135 mil quilos diários de resíduos domiciliares levados ao aterro (apressando o seu esgotamento). Experiências em Goiânia e outros lugares já demonstraram que com coleta seletiva adequada, reciclagem (papel, papelão, PVC), revenda de materiais (alumínio e outros metais, vidro, madeira), compostagem de lixo orgânico é possível reduzir a apenas 20% os resíduos encaminhados a aterros (prolongando a sua vida útil).E ainda não se está falando de resíduos de construções (que costumam ter tonelagem maior que a do lixo domiciliar), lixo industrial, resíduos de estabelecimentos de saúde e outros, cujos custos de recolhimento e disposição final costumam correr por conta das prefeituras.
O Conselho Nacional do Meio Ambiente até já reduziu exigências para implantar aterros que substituam lixões. Mas não parece provável que se tenha evoluído na área. Mesmo porque persiste uma pressão para que os municípios, principalmente os maiores, adotem como caminho – caro e perigoso – a incineração de resíduos, que implica também a necessidade de gerar cada vez mais lixo. Quase todas as grandes empresas da área de coleta de resíduos – que são das maiores financiadoras de campanhas eleitorais no País – têm hoje empresas de incineração. Em ano eleitoral, então, a sedução e a pressão parecem irresistíveis. Mas o caminho ideal seria que cada gerador de resíduos (domiciliar, industrial, da construção, agrícola, etc.) passasse, por lei, a ser responsabilizado pelos custos proporcionais do que gera – como se faz em todos os países que evoluíram nessa área.
Washington Novaes é jornalista.
Artigo originalmente publicado em O Estado de S.Paulo
Fonte: ECODEBATE

Fim de semana terá tempestade solar

 Imagem da Nasa mostra erupção solar ocorrida em 7 de março 2012, classificada como uma das maiores dos últimos anos 
Fim de semana terá tempestade solar
A previsão do tempo galáctica informa: o fim de semana será de tempestades solares. Entre sábado e domingo, a Terra será bombardeada por radiação e partículas carregadas oriundas de erupções no Sol. Embora sejam potencialmente danosas, os cientistas dizem que, dessa vez, não é preciso se preocupar. O evento foi classificado como "de menor dano potencial". Mesmo assim, os responsáveis por linhas de energia e empresas aéreas já foram notificados.
Juha-Pekka Luntama, especialista em clima espacial da Agência Espacial Europeia, afirmou que que os operadores de navegação "certamente verão alguma coisa, mas eles provavelmente encontraram maneiras de lidar com qualquer problema" decorrente da tempestade que se aproxima. 

As ejeções de massa coronal são fenômenos normais, que variam em frequência e intensidade conforme o ciclo de mais ou menos 11 anos de atividade solar. Agora, o astro está "despertando" de um período de baixa atividade e começando um período em que as erupções acontecem com maior frequência. O ápice deve acontecer em 2012.
As tempestades solares não são motivo de alerta pelo risco de machucar diretamente alguém. As grandes vítimas da fúria solar são os equipamentos eletrônicos.
Entre outras coisas, as tempestades solares conseguem provocar danos na rede elétrica, além de sistemas de GPS e de satélites.
Em Québec, no Canadá, uma forte erupção solar derrubou o sistema de transmissão de energia elétrica, deixando quase 6 milhões de pessoas sem luz em 1989.

LADO BRILHANTE
Se as tempestades solares são muito ruins para os equipamentos, elas podem fornecer verdadeiros espetáculos para os olhos. Conforme as partículas carregadas bombardeiam a Terra, elas podem provocar um espetáculo de luzes e cores nas proximidades dos polos. São as chamadas auroras.

Fonte: AGÊNCIAS DE NOTÍCIAS

A importância da Lei das Antenas

A importância da Lei das Antenas
Por Lia Ribeiro Dias*
A suspensão da comercialização de linhas celulares em Porto Alegre (RS), por determinação do Procon, no dia 16 de julho, mostra uma somatória de erros que envolvem a telefonia celular no Brasil e a necessidade urgente de o país contar com uma lei federal que discipline a instalação de estações radiobase nas cidades brasileiras. Em debate no Executivo, o projeto da chamada Lei das Antenas deve ser encaminhado pelo governo ao Congresso Nacional, neste semestre.
Com quase duas centenas de legislações municipais que tratam do tema, que é de competência federal por envolver a política de telecomunicações, o país foi construindo uma armadilha que prejudica os próprios usuários. Bem intencionadas, mas nem sempre com fundamentações técnicas corretas, muitas dessas legislações, elaboradas para proteger os cidadãos dos efeitos nocivos que poderiam ser provocados pela radiação das antenas, impedem a prestação de um serviço de telefonia celular de qualidade. É o caso de Porto Alegre, onde as restrições à instalação de antenas, dispostas em uma lei considerada a mais restritiva do país, levaram a uma situação de baixa qualidade da cobertura. Mesmo em bairros centrais, há buracos na cobertura que impedem a transmissão do sinal. Em suma, em 500 pontos, segundo o levantamento feito pela seção gaúcha da Ordem dos Advogados do Brasil o celular não pega.
Essas legislações surgiram no início dos anos 2000, a partir do debate, ainda em pauta, sobre os possíveis efeitos nocivos da radiação das antenas sobre a saúde dos moradores de seu entorno e mesmo sobre possíveis efeitos da radiação do aparelho celular na saúde de seu usuário. Todos os estudos mundiais sobre o assunto, pelo menos até agora, não comprovaram essa hipótese. Ao temor das consequências de uma possível nova epidemia, a epidemia do celular, de dimensões imprevisíveis somaram-se outros interesses, como o medo da desvalorização dos imóveis próximos à estação radiobase.
E com base nesses medos e muita pouca racionalidade – proíbe-se instalação de antenas perto de escolas e hospitais, quando a potência da radiação aumenta à medida em que o sinal se distância da estação radiobase -- os legisladores foram definindo as regras de instalação de antenas.
Mas a culpa não é só dos legisladores municipais. Falhou a Anatel que nunca se preocupou em fazer uma campanha nacional de esclarecimento, em articulação com as associações de municípios. Falhou o governo federal que se omitiu totalmente em propor uma regulamentação adequada e que só começou a tratar seriamente do assunto quando problema se agigantou, com a massificação do uso de celular no país. E falharam as operadoras, muito mais preocupadas em aumentar sua base de clientes do que em encontrar soluções para prestar um serviço de qualidade. As empresas passaram os últimos anos apenas reclamando das legislações restritivas, mas só recentemente traçaram uma estratégia, por meio do SindiTelebrasil, para enfrentar o problema, com reuniões de esclarecimento com entidades de municípios, câmaras municipais e executivos municipais.
A decisão radical do Procon de Porto Alegre, acionado pela OAB gaúcha, é também resultado das deficiências do serviço celular prestado pelas operadoras. Mesmo que boa parte dos problemas enfrentados na cidade decorram da legislação restritiva – existem cem pedidos de instalação de antenas na cidade não deferidos pelos órgãos municipais --, as entidades da sociedade civil e as autoridades municipais têm resistência em aceitar os argumentos técnicos porque falta credibilidade às operadoras. É bem verdade que não é possível prestar um serviço para uma base de 250 milhões de usuários sem um volume grande de reclamações, dada a magnitude dos números envolvidos. Mas com todos os regulamentos de qualidade, multas da Anatel e termos de conduta assinados, as operadoras não resolveram uma questão elementar: o atendimento ao cliente. Quem já teve que ligar para um call center sabe como é. Agora, o atendimento automático é rápido, mas o cliente acumula, para a solução de um problema, uma fileira de protocolos. E a solução continua demorando.
O caso de Porto Alegre é emblemático. De um lado a sociedade, que quer um bom serviço, mas não quer as antenas: de outro as operadoras, que justificam a baixa qualidade do serviço em decorrência de legislações restritivas, quando esta não é a única causa, embora seja relevante. Em muitos casos falta investimento na rede e a qualidade é uma meta ainda distante.
A gravidade da decisão do Procon também alertou as autoridades locais para a necessidade de rever a legislação municipal e de avaliar, com celeridade, os pedidos de instalação de antenas, sob pena de a capital gaucha vir a enfrentar um “caladão” na telefonia móvel. E mais: de não contar com a rede de quarta geração, que vai exigir um número ainda maior de antenas, por usar freqüência mais alta.
Certamente, o episódio de Porto Alegre vai acelerar o envio da Lei das Antenas para o Congresso e incentivar os parlamentares a dar atenção ao seu debate e tramitação. Este vai ser um passo importante para a melhoria da prestação do serviço de telefonia móvel no país. Mas este passo precisa ser acompanhado de uma fiscalização mais rigorosa da Anatel – a partir de setembro, as celulares vão ter de cumprir as metas de qualidade no serviço de dados – e de uma mudança de postura das operadoras no atendimento a seus clientes.
Afinal, celular hoje não é só um telefone. É ferramenta de trabalho, de comunicação, de interação, de geração de renda, de acesso a serviços públicos e bancários. Ou seja, é um serviço essenLia Ribeiro Dias é diretora editorial da Momento Editorial. Seu nome, trabalho e opiniões são referências no mercado editorial especializado e, principalmente, nos segmentos de informática e telecomunicações, nos quais desenvolve, há 28 anos, a sua atuação como jornalista.cial.
*Lia Ribeiro Dias é diretora editorial da Momento Editorial. Seu nome, trabalho e opiniões são referências no mercado editorial especializado e, principalmente, nos segmentos de informática e telecomunicações, nos quais desenvolve, há 28 anos, a sua atuação como jornalista.
Fonte: REDE Os Verdes/via FNDC.ORG

Fédération des Verts d’Afrique: Ouagadougou comme siège social du cartel continental

Fédération des Verts d’Afrique: Ouagadougou comme siège social du cartel continental 
Après plusieurs années de lutte, les écologistes et verts d’Afrique sont reconnus sous la dénomination « Fédération des Verts d’Afrique » en abrégée FEVA. La structure continentale a désormais son siège implanté à Ouagadougou au Burkina Faso. Le quartier général de cette union et son bureau exécutif présidé par le Rwandais Frank HABINEZA a été présenté à la presse le 21 juillet. 
Les faits remontent en avril 2010 à Kampala en Ouganda où s’était tenu le congrès constitutif de la Fédération des Verts d’Afrique (FEVA). Deux ans après, le 29 juin 2012, le rassemblement des Verts en Afrique obtient sa reconnaissance officielle auprès des autorités du Burkina, pays qui abrite dorénavant son siège. Avec ce siège permanant géré par le secrétariat exécutif dirigé par Fatoumata BOUSSIM, la FEVA est devenue opérationnelle en tout temps. 
La FEVA est un groupement des Verts et Ecologistes de 30 Etats d’Afrique. Elle a pour objectif principal de hisser les partis verts d’Afrique aux pouvoirs afin de « favoriser l’intégration des principes et valeurs des Verts sur le continent » a insisté le président de la FEVA, le Rwandais Frank HABINEZA. D’un budget triennal de 450 000 000 de FCFA d’aide suédoise, la FEVA compte promouvoir le droit des minorités tout en œuvrant pour la réconciliation des peuples d’Afrique. 
Bien que naissante, la fédération a déjà engrangé des acquis quant à la représentation de ses membres dans les différents gouvernements et assemblées africains. Chose qui encourage le président des Vert du Burkina, Ram OUEDRAOGO à parler « du printemps des Verts ». 
Dramane GUENE 
Font: Radio Television du Burkina/via REDE Os Verdes

7.29脱原発国会大包囲

Fonte: REDE Os Verdes/via Facebook

sábado, 21 de julho de 2012

Argentina adverte petroleira britânica sobre exploração nas Malvinas

Argentina adverte petroleira britânica sobre exploração nas Malvinas 
O governo argentino advertiu nesta segunda-feira à petroleira britânica Premier Oil que a exploração de hidrocarbonetos nas ilhas Malvinas é ilegal. A empresa pretende começar a extrair óleo da região, que é controlada pelo Reino Unido e reivindicada pelo país sul-americano. 
Em comunicado, a Chancelaria disse que enviou uma nota de advertência para a companhia após o anúncio da intenção de formar um consórcio com a britânica Rockhopper para começar a exploração petrolífera em águas do arquipélago no oceano Atlântico sul. 
Buenos Aires argumentou que a Rockhopper foi considerada ilegal no país após iniciar a retirada de hidrocarbonetos e entrou com processos contra a empresa em tribunais internacionais e locais, com ações administrativas, civis e penais, incluindo acusações de crimes contra o meio ambiente marinho. 
A intenção do governo de Cristina Fernández de Kirchner é fazer o mesmo com a Premier Oil, caso mantenha o interesse em atuar nas Malvinas. Além das duas empresas, já foram acionadas na Justiça argentina outras cinco empresas britânicas que exploram petróleo na região. 
As ações fazem parte de um grupo de medidas de pressão de Buenos Aires contra a dominação inglesa das ilhas Malvinas, iniciada em 1833 e que foi motivo de guerra há 30 anos. 
Em junho, Cristina Kirchner apresentou um pedido de resolução contra Londres para retomar as negociações e o controle do arquipélago, que tem cerca de 3.000 habitantes. 
Fonte: EFE - BUENOS AIRES

PUBLICÃO abre suas portas em São Paulo

PUBLICÃO abre suas portas 
em São Paulo 
Ainda em fase de testes, o “Publicão”, como foi apelidado o primeiro Hospital Veterinário Público do Brasil, já funciona no bairro do Tatuapé, zona leste da cidade de São Paulo. O projeto surgiu de uma emenda do vereador Roberto Tripoli (PV) e faz parte das ações da Coordenadoria Especial de Proteção a Animais Domésticos, criada pela Prefeitura de São Paulo no dia 23 de junho. 
A unidade, totalmente custeada pela Prefeitura de São Paulo, foi inaugurada no dia 2 de julho e será administrada pela Anclivepa-SP (Associação Nacional de Clínicos Veterinários de Pequenos Animais de São Paulo). 
De acordo com o diretor geral do hospital, Ricardo Coutinho do Amaral, o atendimento é totalmente gratuito e exclusivo para proprietários de animais devidamente inscritos nos Programas Sociais da Prefeitura Municipal de São Paulo (Bolsa Família e Renda Mínima), animais oriundos de abrigos e ONGs de proteção animal, também devidamente registrados. “Terão atendimento também os animais mantidos no CCZ que adoecerem e necessitarem de cuidados veterinários”, afirmou. 
Ricardo Coutinho disse que o atendimento ainda é limitado e que muitas modificações podem acontecer. O diretor disse ainda que está aberto a sugestões. 
Em poucos dias de funcionamento, o Serviço Veterinário da Anclivepa-SP, como é oficialmente chamado, conta uma equipe de 14 veterinários e atende especialidades como ortopedia, anestesiologia, dermatologia, clínica médica, laboratório de análises clínicas, cirurgia geral e futuramente deve contar com oftalmologia, endocrinologia, nefro e urologia, acupuntura e homeopatia, ultrassonografia, radiologia, medicina de felinos e oncologia. 
Segundo, Renato Tartália, diretor administrativo do hospital. A inauguração da unidade veterinária pública é um sonho realizado, pois vai além de uma ação de Proteção Animal, é um resgate de cidadania. “É um sonho poder levar aos cães e gatos das pessoas menos favorecidas, o mesmo tratamento que é oferecido aos pacientes das clínicas e hospitais veterinários particulares. Acreditamos que o alcance social disso, será enorme. Estamos certos de que o amor que as pessoas sentem por seus animais de estimação independe da classe social que pertençam”, disse. 
O Serviço Veterinário da Anclivepa-SP está localizado na Rua Professor Carlos Zagotis, 3, Tatuapé , São Paulo e funciona de segunda à sexta-feira das 7h às 19h. Para ser atendido, o tutor deve comparecer à unidade com R. G., CPF, comprovante de residência e carteirinha do benefício social (renda mínima, bolsa família). 
Para mais informação, ligue 11 2227-0858
Fonte: REDE Os Verdes/via Facebook

2032:我们期望的未来 - 2032: The Future We Want

2032:我们期望的未来
2032: The Future We Want
 未来20年,你将生活在一个什么样的世界?32位来自中国各地的普通民众走到摄像机前,讲述了各自所期望的可持续的未来。
  这部由联合国新闻部和联合国开发计划署共同出品的公益短片《2032:我们期望的未来》6月20日在巴西里约热内卢联合国可持续发展大会首映,包括各国领导人在内的全球公众听到了来自中国的强有力的声音。 为迎接里约+20联合国可持续发展大会的召开,联合国新闻部和开发署驻华代表处在新浪微博发起了公益短片演员征集活动,近2000名网友报名参 演,232人参与了短片的拍摄,最终32人入选短片。在众多参演者中,有学生、教师、白领、少数民族以及农民工。无论男女老少,无论来自何方,他们都表达 了对于可持续未来的向往。该片通过此种方式鼓励中国民众关注共同参与由联合国发起的放眼可持续未来的全球对话,共同探讨在这个越来越拥挤的星球上,如何找 到通往更安全、更公平、更清洁、更绿色和更繁荣的未来世界的途径。
饶建良是一位生活在北京的农民工,他在片中说:“20年后,我希望我的孩子过得比我更好。”而来自四川大凉山彝族自治州的扎西才措则的未来愿望是:“我希望家乡的雪山依然那么洁白无瑕,家乡的河流依然那么干净清澈。”
联合国开发计划署中国亲善大使、著名演员周迅也积极参与了短片的拍摄。周迅表示:“我相信,每一个人的愿景和声音碰撞在一起,会激发出巨大的能量。只有人们了解自己的梦想并为之不断付出,这个世界才会变得更加美好。”
《2032:我们期望的未来》由联合国新闻部、开发署联合出品,著名导演杜家毅执导,开发署驻华代表处与周迅工作室共同制作完成。从6月20日 起,该片将在联合国可持续发展大会会场滚动播出,并在各大网站、手机客户端供网友点播收看。在影片拍摄过程中,中国著名摄影师肖全同期创作了所有志愿参演 者的肖像摄影作品。这些照片将与视频一起放入一个时间胶囊中,存放于纽约联合国总部。并希望在2032年重新开启,在里约+40峰会上让世人重温这个时代 的声音。

United Nations, New York, Jun 2012 - As part of "The Future We Want" campaign, UN DPI, together with UNDP China, produced a public-service short film entitled "2032: The Future We Want". 
In the film, 232 ordinary Chinese citizens were invited to answer the same question in front of the camera: "What do you want the world to be like in twenty years?" Voice of everyday Chinese people -- from students to ethnic minorities, from rural villages to urban cities, and from the disabled to migrant workers -- were pieced together to create a powerful message that captures and records their inspiring visions for the future. http://www.un.org/zh/sustainablefuture/2032.shtml

Nações Unidas, Nova York, junho 2012 - Como parte de "O Futuro que Queremos" da campanha, da ONU DPI, juntamente com o PNUD China, produziu um filme de serviço público curto intitulado "2032: o futuro que queremos". 
No filme, 232 cidadãos chineses comuns foram convidadas a responder a mesma pergunta na frente da câmera: "O que você quer que o mundo ser como em vinte anos?" Voz do povo chinês diárias - de estudantes a minorias étnicas, a partir de aldeias rurais para centros urbanos, e das pessoas com deficiência aos trabalhadores migrantes - foram reunidas para criar uma poderosa mensagem que captura e registra suas visões inspiradoras para o futuro. http://www.un.org/zh/sustainablefuture/2032.shtml