quarta-feira, 27 de fevereiro de 2013

Parabéns ao Grêmio Esportivo Juvenil pelos 80 anos de história na cidade de Tapes/RS

Grêmio Esportivo Juvenil comemora dia 1° de março, 80 anos de história

O Grêmio Esportivo Juvenil, entidade fundada em 1° de março de 1933, atuante conforme seu estatuto nas áreas sociais, educacionais, esportivas, culturais e beneficentes completa 80 anos de existência.
Grêmio Esportivo Juvenil 2011
Neste tempo, a entidade sempre atuou e conquistou diversas vitórias, e na atualidade estão conquistando uma "vitória muito maior’", sendo reerguida junto a comunidade, além da estrutura do Estádio Capitão Mattos, a  ampla confiança neste Clube Social que muitas glórias esportivas trouxeram para Tapes, e promoveu o nome de diversos esportistas que conquistaram seu espaço no mundo dos esportes amadores e profissionais.
Grêmio Esportivo Juvenil 1934
A cidade de Tapes, com uma parcela significativa de público infanto/juvenil, está, assim como as demais cidades do país afetadas por diversos males sociais, de saúde pública, com muitos jovens envolvidos com a drogadição, pequenos furtos, má comportamento na escola, evasão escolar e problemas familiares.
Grêmio Esportivo Juvenil 1962
O projetos do Grêmio Esportivo Juvenil focam este público no sentido de PREVENIR estas situações na realidade de crianças e adolescentes da cidade, trazendo-lhes o acesso a cultura, aos esportes em geral, ao lazer, entretenimento e convívio social, que os condicionará a busca de melhores horizontes, sejam estes em outras profissões, ou na área esportiva, um dos objetivos do Clube e da Sociedade do Juvenil. 
Grêmio Esportivo Juvenil 1954
A preocupação do GEJ como entidade social atuante junto as comunidades de Tapes, é proporcionar para crianças e adolescentes (inscritos com critérios definidos e necessários para participação), a busca de conhecimento, cultura, saúde, cidadania, disciplina, autoestima, crescimento pessoal e familiar, através de ações e atividades que visam ampliar, em turno inverso da Escola, a formação cidadã destes alunos, além de serem abertas portas para o acesso a profissionalização de muitos destes futuros jogadores de futebol, professores de educação física, técnicos, árbitros, esportistas, trabalhadores na área do esporte amador e profissionais em diversas áreas.
Neste ano, o GEJ assumiu uma das cadeiras pela sociedade civil, no Conselho Municipal da Criança e do Adolescente, onde atuará no sentido do controle social e fiscalização, apoio a execução de políticas voltadas ao atendimento e proteção da criança e do adolescente.
Da mesma forma, está se cadastrando formalmente para captação de recursos federais, estaduais e privados para ampliar as estruturas e benefícios do Clube para os sócios e a comunidade.
Fonte: Facebook

Em despedida emotiva aos fiéis, papa diz que sai pelo bem da Igreja

Em despedida emotiva aos fiéis, papa diz que sai pelo bem da Igreja 
Por Philip Pullella 
O papa Bento 16 despediu-se emotivamente dos seus fiéis na última audiência geral do seu pontificado, na quarta-feira, quando disse que entende a gravidade da sua decisão de se tornar o primeiro ocupante do cargo a renunciar em 600 anos. Afirmou, no entanto, que fez isso pelo bem da Igreja Católica. 
Falando a uma multidão estimada em 150 mil pessoas na Praça São Pedro, na véspera da efetivação da sua renúncia, Bento 16 disse que seu pontificado teve momentos de alegria, mas também de dificuldades, quando "parecia que o Senhor estava dormindo". Sentado em um trono cor de marfim, na escadaria da basílica de São Pedro, Bento 16 foi frequentemente interrompido por aplausos. Ao final do discurso, os fiéis e muitos cardeais se levantaram para ovacioná-lo. 
Refletindo sobre as crises que marcaram seu pontificado, Bento 16 disse que "houve momentos em que as águas estavam agitadas, e havia ventos de proa". 
Conforme ele anunciou no dia 11, sua renúncia entra em vigor às 20h da quinta-feira (16h em Brasília). Nos dias seguintes, os cardeais iniciam oficialmente as consultas prévias ao conclave (reunião secreta que elege o novo papa). 
O papa disse ter grande fé no futuro da Igreja, e acrescentou: "Dei esse passo com pleno conhecimento da sua gravidade e raridade, mas com profunda serenidade de espírito".  Amar a Igreja, acrescentou, implica "ter coragem para fazer escolhas difíceis e angustiadas, sempre tendo em mente o bem da Igreja, e não de si mesmo". 
Bento 16 diz que decidiu renunciar por sentir-se velho e fraco demais para continuar comandando uma instituição marcada por crises causadas pelos abusos sexuais de clérigos contra menores e pelo vazamento de documentos sigilosos do Vaticano que apontam casos de corrupção e disputas de poder. 
Leia Mais na Agência Reuters

Um mês após tragédia, Santa Maria homenageia vítimas de incêndio

Um mês após tragédia, Santa Maria homenageia vítimas de incêndio
A polícia disse que há indícios da perícia que comprovam a presença de cianeto nos exames feito nas vítimas
Nesta quarta-feira (27/02), a cidade gaúcha de Santa Maria homenageou as vítimas do incêndio de um mês atrás na boate Kiss. As homenagens começaram ainda na madrugada. Em frente à boate Kiss, uma faixa trouxe fotos das 239 vítimas na forma de um grande coração. Pela manhã, uma multidão vestindo branco e trazendo flores se reuniu na praça central da cidade. Às 8h, o silêncio foi rompido com sinos, buzinas e palmas.
“É graças aos abraços que a gente está recebendo, de familiares, de amigos, de pessoas estranhas, é com este abraço coletivo que a gente está suportando”, disse Ogier Rosado, pai de uma vítima.Durante cinco  minutos,  Santa Maria ouviu o som de quem não quer deixar que o mundo esqueça uma tragédia tão grande.
À tarde, mães das vítimas do incêndio da boate que matou 199 pessoas em Buenos Aires em 2004 chegaram a Santa Maria para prestar solidariedade às famílias brasileiras. A polícia disse que há indícios da perícia que comprovam a presença de cianeto nos exames feito nas vítimas.
O gás teria sido liberado pela queima da espuma que revestia o teto da boate. Os investigadores também querem saber quem autorizou o funcionamento da casa sem as devidas condições de segurança. “Nós estamos focando mais nesta questão da expedição dos alvarás e das fiscalizações: como eram feitas, quem deveria fazer e a responsabilidade eventual de quem deveria ter feito. Isso é o mais importante” declarou Marcelo Arigony, delegado de Santa Maria.
No início da noite, uma nova homenagem aos mortos reuniu centenas de pessoas em uma  caminhada pelas ruas de Santa Maria.
Fonte: Canal G1

Assange defende aumento massivo dos meios de comunicação

Assange defende aumento massivo dos meios de comunicação
Por Marcelo Justo 
O fundador de Wikileaks, Julian Assange, recebeu a Carta Maior em um escritório especial que a embaixada do Equador no Reino Unido preparou para que ele converse com a imprensa no momento da publicação no Brasil de seu novo livro "Cyberpunks.
A Liberdade e o futuro da internet". Veste uma camiseta da seleção brasileira, com o número sete e seu nome nas costas: a desenvoltura futebolística combina com seu bom bom humor. O cabelo branco e a pele quase translúcida lhe dá um ar de albino insone, mas os mais de seis meses encerrado nos confins da embaixada e o mais que incerto futuro ante à decisão do governo britânico de não conceder-lhe o salvo-conduto que permitiria que viajasse ao Equador, não parecem pesar muito. Veja o vídeo com a entrevista de Julian Assange, do Wikileaks: É certo que ele em uma aparentemente merecida fama de recluso e que em seu pequeno quarto na embaixada deve fazer o mesmo que fazia a maior parte do tempo em sua vida livre: ficar grudado em seu computador e na internet. É difícil imaginar a vida de Julian Assange sem a tela do monitor e o ciberespaço.
Por isso o livro que começa a ser vendido este mês no Brasil, publicado pela editorial Boitempo, contem algo tão inesperado como a camiseta brasileira: uma visão particularmente cética e mesmo negativa sobre o impacto da internet.
Você fala em seu livro da internet como uma possível ameaça para a civilização. Muitos pensam que a internet é uma arma para o progresso humano que produziu, entre outras coisas, Wikileaks. Sua interpretação não é um pouco pessimista? 
Assange: Não resta dúvida que a internet deu poder às pessoas que não o tinham ao possibilitar o acesso a todo tipo de informação em nível global. Mas, ao mesmo tempo, há um contrapeso a isso, um poder que usa a internet para acumular informação sobre nós todos e utilizá-la em benefício dos governos e das grandes corporações. Hoje não se sabe qual destas forças vai se impor. Nossas sociedades estão tão intimamente fundidas pela internet que ela se tornou um sistema nervoso de nossa civilização, que atravessa desde as corporações até os governos, desde os casais até os jornalistas e os ativistas.
De modo que uma enfermidade que ataque esse sistema nervoso afeta a civilização como um todo. Neste sistema nervoso há vários aparatos do Estado, principalmente, mas não unicamente, dos Estados Unidos, que operam para controlar todo esse conhecimento que a internet fornece à população. Este é um problema que ocorre simultaneamente com todos nós. E se parece, neste sentido, aos problemas da guerra fria.
Você é muito crítico do Google e do Facebook que muita gente considera como maravilhosas ferramentas para o conhecimento ou as relações sociais. Para essas pessoas, em sua experiência cotidiana, não importa a manipulação que possa ser feita na internet.
Assange: Não importa porque esta manipulação da informação está oculta. Creio que nos últimos seis meses isso está mudando.
Em parte por causa de Wikileaks e pela repressão que estamos sofrendo, mas também pelo jornalismo e pela investigação que está sendo feita.
O Google é excelente para obter conhecimento, mas também está fornecendo conhecimento sobre os usuários. Ele sabe tudo o que você buscou há dois anos. Cada página de internet está registrada, cada visita ao gmail também. Há quem diga que isso não importa porque a única coisa que eles querem é vender anúncios. Esse não é o problema. O problema é que o Google é uma empresa sediada nos Estados Unidos sujeita à influência de grupos poderosos. Google passa informação ao governo de maneira rotineira. Informação que é usada para outros propósitos que não o conhecimento. É algo que nós, no Wikileaks, sofremos em primeira mão e que vem ocorrendo com muita gente.
Mas no que concerne o controle do Estado há usos legítimos da internet para a luta contra a pornografia infantil, o terrorismo, a evasão fiscal...
Assange: Indiscutivelmente há usos legítimos e a maior parte do tempo a polícia faz isso adequadamente. Mas nas vezes em que não faz, esses usos podem ser terríveis, aterrorizadores, como está ocorrendo atualmente nos Estados Unidos. É preciso levar em conta que o que chamamos de quatro cavaleiros do apocalipse – a pornografia infantil, o terrorismo, as drogas e a lavagem de dinheiro – são usados para justificar um sistema de vigilância massivo da mesma maneira que usaram armas de destruição em massa para justificar a invasão do Iraque. Não se trata de uma vigilância seletiva de pessoas que estão cometendo um delito. Há uma gravação permanente de todo mundo. Isso é uma ameaça diferente de tudo o que já vivemos antes, algo que nem Goerge Orwell foi capaz de imaginar em "1984".
No Ocidente, falou-se muito da revolução do Twitter para explicar a primavera árabe. Esse não é um exemplo perfeito do potencial revolucionário da internet? 
Assange: A primavera árabe se deveu à ação das pessoas e dos ativistas, desde a Irmandade Muçulmana até outros grupos organizados. A internet ajudou o pan-arabismo da rebelião com pessoas de diferentes países aprendendo umas com as outras. Também ajudou a que Wikileaks difundisse os documentos que deram mais ímpeto ao movimento. Mas se você olha para os manuais dos grupos que coordenavam os protestos, na primeira e última página, recomendavam que não se usasse Twitter e Facebook. Para as forças de segurança as mensagens no Twitter e no Facebook são um documento probatório de fácil acesso para prender pessoas.
O que pode se fazer então?
Assange: A primeira coisa é ter consciência do problema. Uma vez que tenhamos consciência disso, não nos comunicaremos da mesma maneira por intermédio desses meios. Há uma questão de soberania que os governos da América Latina deveriam levar em conta. As comunicações que vão da América latina para a Europa ou a Ásia passam pelos Estados Unidos. De maneira que os governos deveriam insistir que os governos deveriam insistir para que essas comunicações sejam fortemente criptografadas. Os indivíduos deveriam fazer a mesma coisa. E isso não é fácil.
De que maneira um governo democrático ou um congresso pode contribuir para preservar o segredo das comunicações pela internet?
 Assange: Para começar, garantindo a neutralidade do serviço. Do mesmo modo que ocorre com a eletricidade, não se pode negar o fornecimento com base em razões políticas. Com a internet não deveria existir essa possibilidade de controlar o serviço. O conhecimento é essencial em uma sociedade. Não há sociedade, não há constituição, não há regulação sem conhecimento.
Em segundo lugar, é preciso negar às grandes potências e superpoderes o acesso à informação de outros países. Na Argentina ou no Brasil a penetração do Google e do Facebook é total. Se os parlamentos na América latina conseguirem introduzir uma lei que consagre a criptografia da informação, isso será fundamental.
Temos falado da revolução do Twitter, mas em termos de meios mais tradicionais, como a imprensa escrita ou a televisão, vemos que há um crescente debate mundial sobre seu lugar em nossa sociedade.
O questionamento ao poder de grandes corporações midiáticas como o grupo Murdoch ou Berlusconi na Itália e as leis e projetos na Argentina ou Equador para conseguir uma maior diversidade midiática mostram um debate muito intenso a respeito. O que você pensa sobre essas iniciativas?
Assange: Nós vimos em nossa própria luta como o grupo Murdoch ou o grupo Bonnier na Suécia distorceram deliberadamente a informação que forneceram sobre nossas atividades porque suas organizações têm um interesse particular no caso. Então temos, por um lado, a censura em nível do Estado e, por outro, o abuso de poder de grupos midiáticos. É um fato que os meios de comunicação usam sua presença para alavancar seus interesses econômicos e políticos. Por exemplo, "The Australian", que é o principal periódico de Murdoch na Austrália, vem sofrendo perdas há mais de 25 anos. Como isso é possível? Por que ele segue mantendo esse veículo.
Porque ele é utilizado como uma arma para atingir o governo para que este ceda em determinadas políticas importantes para o grupo Murdoch. O presidente Rafael Correa faz uma distinção entre a "liberdade de extorsão" e a "liberdade de expressão". Eu não colocaria exatamente assim, mas temos visto que o abuso que grandes corporações midiáticas fazem de seu poder de mercado é um problema. Nos meios de comunicação, a transparência, a responsabilidade informativa e a diversidade são cruciais. Uma das maneiras de lidar com isso é abrir o jogo para que haja um incremento massivo de meios de comunicação no mercado.
Tradução: Katarina Peixoto

China: O Dragão da poluição assusta os chineses

China: O Dragão da poluição assusta os chineses
A Poluição em rios e lagos na China revolta a população. Mas a realidade do avanço econômico coloca em xeque o futuro da nação que está se tornando a mais poderosa força econômica no mundo.
Por quanto tempo, antes da queda desta sociedade por destruir com seus recursos naturais?
Fonte: REDE Os Verdes/via Facebook

terça-feira, 26 de fevereiro de 2013

Chineses se revoltam contra poluição das águas por grandes empresas

Chineses se revoltam contra poluição das águas por grandes empresas
Novos números que mostram a grave poluição de quase todos os lençóis freáticos e da maioria dos rios e lagos da China despertaram a ira popular e desencadearam uma campanha para denunciar as empresas poluentes. Segundo um recente relatório do Ministério de Recursos Hídricos divulgado pela agência oficial Xinhua, 64% das 118 cidades analisadas têm seus lençóis freáticos “muito poluídos”, contra 33% que estão “levemente poluídos” e apenas 3% que possuem água limpa. Cerca de um terço dos recursos hídricos do gigante asiático vem do subsolo, uma fonte que está contaminada pelo contínuo vazamento de metais pesados, cujos compostos – ao contrário dos orgânicos – são muito mais difíceis de serem processados com os métodos tradicionais de tratamento de água.
“A poluição dos lençóis freáticos é algo que só recentemente chamou a atenção da população”, afirmou hoje à EFE o chefe da campanha contra substâncias tóxicas do Greenpeace na Ásia Oriental, Ma Tianjie, que advertiu que algumas dessas substâncias “são cancerígenas, se incorporam à cadeia alimentar e chegam à população”.
A água dos lençóis é utilizada na irrigação de mais de 40% das terras cultivadas na China e representa cerca de 70% da água potável nas regiões secas do norte e noroeste do país. A evidência da péssima qualidade da água provocou fortes protestos de ativistas ambientais, que acusam os governos locais de proteger as empresas poluentes. Em entrevista à rede de televisão estatal, o diretor do Instituto de Assuntos Ambientais da China, Ma Jun, reconheceu que a maior dificuldade está na proteção das empresas poluentes pelas autoridades municipais, já que elas são as que mais contribuem em impostos e na criação de empregos. “O problema é grave, mas pode ser superado”, disse o diretor, que pediu à população que “participe amplamente para denunciar estas práticas”.
O principal jornal de Pequim, o Beijing News, se uniu à proposta de Ma Jun em um editorial pedindo a ajuda dos internautas e declarou “guerra contra as empresas sem escrúpulos”.
Apesar de o Greenpeace reconhecer o esforço de Pequim em aprovar leis mais duras, também considera que “a fraqueza do Ministério do Meio Ambiente em comparação com o de Assuntos Econômicos e o da Indústria se traduz em uma péssima aplicação das leis ambientais”.
Para combater o fenômeno, as autoridades de Weifang (município da província de Shandong) ofereceram uma recompensa de 100 mil iuanes (cerca de US$ 16 mil) a quem der informações sobre casos de empresas que despejam produtos tóxicos nos lençóis freáticos da cidade. A medida foi tomada depois que um repórter da região, Deng Fei, acusou várias empresas através do Weibo, espécie de Twitter chinês, de bombear água contaminada a mil metros de profundidade para evitar o cumprimento da norma. Diante das acusações, o governo inspecionou as 715 empresas locais, mas “não encontrou nenhuma evidência para apoiar as alegações dos internautas”.
As denúncias do ativista circularam amplamente pela rede e até se transformaram no tema mais comentado. Deng aproveitou para pedir a seus seguidores que publicassem fotografias dos rios de suas cidades natais, o que inundou o Weibo com várias imagens de rios poluídos de todo o país.
Até um empresário de Hangzhou, capital da província de Zhejiang, após ver o péssimo estado de um rio próximo da sua cidade natal, ofereceu 200 mil iuanes (aproximadamente US$ 32 mil) ao chefe do escritório de proteção do meio ambiente se ele nadasse no rio durante 20 minutos. O funcionário em questão se limitou a responder que a responsabilidade “não era sua”, mas que “prestaria atenção ao caso”.
Os cálculos oficiais apontam que o número dos acidentes de contaminação dos aquíferos, principalmente rios e lagos, na China, chega aos 1.700 anuais, mas segundo o jornal de Pequim, “foram ignorados até hoje porque a maioria dos casos ocorre em zonas rurais, onde os camponeses não têm o direito de falar”. 
Fonte: Terra/Ambiente Brasil

Címkék: Porto Alegre, zöld találmányok, utca

Címkék: Porto Alegre, zöld találmányok, utca
Brazília déli részén fekszik Porto Alegre, a tizedik legnépesebb brazil város, budapestnyi mennyiségű lakossal (a bolygóvárosokkal együtt viszont négymilliós). Annyira környezettudatos hely, hogy Brazíliában az elsők között kezdték el a szelektív hulladékgyűjtést, és íme, itt ez a fantasztikus zöldalagút a város közepén a Rua Goncalo de Carvalhón.
A helyi tévé műsorvezetője brazilos szerénységgel a világ legszebb utcájának nevezte az utcát, melynek saját blogja is van, amit barátai üzemeltetnek. Azért nevezik alagútnak, mert a fák lombkoronája szépen alagútba foglalja.
Képek via
Fonte: Movimento Gonçalo de Carvalho/via Facebook

segunda-feira, 25 de fevereiro de 2013

Energy Vortex

Energy Vortex
Ancient people knew that wherever the earth’s energy gathered into a vortex was a sacred place. These strongly charged areas of the globe have also been the places where people have chosen to build churches, temples and other centers of spirit and learning. Places like Stonehenge, the Pyramids of Egypt, Easter Island, and so on are well known as vortex spots
There are three main types of vortexes - all three are replenishing and supercharged with high quality energy.The three vortex types are:

•Electric - stimulates and energizes, activates
•Magnetic - attracts energy to the area
•Electromagnetic -both activates and attracts energy

There are powerful vortexes scattered around the globe that are, in essence, the Earth’s chakra system. Earth has both a major and a minor chakra system, just as people do. With the advent of modern life and wide spread pollution, the Earth’s chakras have become contaminated - and in need of clearing. Ancient mystics such as the Druids used song, sounds, and ceremonies to keep a chakra open, cleaned, and in proper working order. More and more people in the 21st century are remembering these old ways and are once again paying homage in ritual to the Great Mother. People are relearning the ancient shamanic and medicine way knowledge, centered on a relationship with the Earth. This not only helps heal the Earth, but affects the person strongly as well. Again, the relationship between the Earth and us is reciprocal. We affect each other in direct and subtle ways.
As people meditate and send energy to the Earth while close to a vortex point, most come to a common realization. These vortexes serve as portals - ones that humans can tap to touch their own higher dimensional selves. All of us have at least 12 layers of subtle bodies coupled with our current physical one. The Earth has these layers as well. When we are close to an active chakra of the Earth, it energizes us to “see” things the way they really are - multidimensional and ever evolving.
Although some may think vortexes and energy grids are pure fantasy, science is beginning to prove that this ancient teaching is actual fact. As Joseph Jochmans wrote in Earth, the Crystal Planet”. In 1973, three Russians—historians Nikolai Goncharov, construction engineer Vyacheslav Morozov. and electronics specialist Valery Makarov—announced in the science journal for the Soviet Academy of Science, Chemistry and Life, their discovery of a geometric grid pattern which appears to interlink a wide number of natural phenomena into a single planetary system. Their work was based on the flndings of American researcher Ivan T. Sanderson who identified what he called twelve vile vortexes or electromagnetic energy disturbances located equidistant over the surface of the globe, the so-called Bermuda Triangle near the Caribbean and the Devil’s Sea off Japan being two of these.
What the three Russians found was an underlying framework linking these centers into a dual crystal structure, a combination between an icosahedron and a dodecahedron. Not surprisingly, these happen to be the Fourth and Fifth Solids in the Platonic series, which were projected outward by the Earth for over the last million years or so.”
If you get a chance to rest and meditate at one of the major earth vortexes, do make sure that you listen closely. It is commonly accepted that there is at least one major chakra on each continent. The cardinal seven chakras are:

1st chakra - Mt. Shasta, California
2nd chakra - Lake Titicaca, South America
3rd chakra - Uluru-Katatjuta, Australia
4th chakra - Glastonbury-Shaftesbury, England
5th chakra - Great Pyramid-Mt. of Olives
6th chakra - Kuh-e Malek Siah, Iran
7th chakra - Mt. Kailas, Tibet.
There are also four vortexes that govern the four elements. These are spinning energy portals where rituals done in a circle can open and heal the Earth, the participants and people at large. These four vortexes are sitated at:

Earth - Table Mountain, Cape Town, South Africa
Water - Lake Rotopounamu, North Island, New Zealand
Air - Great Pyramid, Mount of Olives
Fire - Haleakala Crater, Hawaii.

Some believe that certain vortexes are negative or vile in energy. A famous example is the Bermuda Triangle. A great resource for looking up various vortexes is the page, “10 Vile Vortex Locations”.
As well, seek out the minor chakras - the vortexes that are in your vicinity. Make a point to visit them regularly. As you do listen for the Earth’s ancient language. The Earth’s language reaches us via energy - light, sound, electromagnetic radiation, the elements, and so on. Do whatever your heart tells you to do in your sacred place - meditate, dance, sing, chant, drum, walk - whatever makes you feel joy and peace. By doing this you help the Earth to mend any tears and congestion in her chakras - help her revitalize her power. Any chakra work is great chakra work. When you work with one minor or major chakra it affects all of the other ones, around the globe.
Read more:

Países reunidos no Quênia discutem rumos de órgão ambiental da ONU

Países reunidos no Quênia discutem rumos de órgão ambiental da ONU
Ministros do meio ambiente e representantes de cerca de 150 países reunidos em Nairóbi, capital do Quênia, na África, debateram os rumos e o fortalecimento do programa da ONU para questões ambientais, o Pnuma, em uma conferência que encerrou na sexta-feira (22/02).
O encontro dá prosseguimento à decisão tomada na Rio+20, a Conferência da ONU sobre Desenvolvimento Sustentável, realizada no Rio em junho de 2012, de dar maior peso ao Pnuma. Na segunda-feira, foi lançado em Nairóbi um relatório que indicou preocupação com o derretimento do gelo do Ártico e seus efeitos. O degelo bateu recorde em 2012, informou o G1 em setembro.
“O que estamos vendo é que o derretimento está causando uma corrida por fontes de combustíveis fósseis que originalmente alimentaram o degelo”, afirmou Achim Steiner, subsecretário-geral da ONU e diretor-executivo do Pnuma, apontando que o Ártico está gradativamente sendo inserido em um “círculo vicioso”.
A corrida pela exploração destas reservas de petróleo no Ártico tem consequências que devem ser pesadas com cuidado pelos países em todo o mundo, dados os impactos globais e problemas ambientais que podem acarretar, disse Steiner às agências internacionais.
Segundo o Serviço Geológico dos EUA (USGS, na sigla em inglês), cerca de 30% do gás natural inexplorado no mundo está no Ártico, em regiões que podem ser expostas e ter o acesso facilitado com o degelo. Mais de 70% do óleo inexplorado no Ártico está em áreas como o norte do Alasca e na porção oriental da Groenlândia, aponta a ONU.
“Conforme o gelo retrocede, facilitando o acesso e o transporte, espera-se que o Ártico cumpra um papel importante na busca por minerais e fontes de energia pelo mundo”, afirma o Pnuma, em nota. A preocupação com o aquecimento do Ártico e com a exploração que este fenômeno pode acarretar tem sido “debatida já há algum tempo, mas isso [o debate] não se transformou em ações imediatas”, ressaltou Steiner.
A previsão foi discutir metas de desenvolvimento sustentável para o período após 2015, projetos ambientais bem-sucedidos na Ásia e outras iniciativas globais.
Foram debatidas medidas globais pelo consumo e produção sustentável, além de haver o lançamento de um atlas com dados ambientais dos países árabes, e discussões em um fórum de preservação de elefantes no Quênia.
Fonte: Globo Natureza

Cem mil golfinhos migrando simultaneamente: eles sabem de algo?

Cem mil golfinhos migrando simultaneamente: eles sabem de algo?
Golfinhos nadando em turma não são novidade, porém os agrupamentos dificilmente passam de 200 indivíduos.
No dia 16  de fevereiro foi reportada em San Diego uma mancha de migração com mais de 11km de extensão por 7km de largura.
A estimativa: cem mil indivíduos participando. 

Fragments of Continents Hidden Under Lava in Indian Ocean: New Micro-Continent Detected Under Reunion and Mauritius

The coloured track (left colour scale) west of Reunion is the calculated movement of the Reunion hotspot. The black lines with yellow circles and the red circle indicate the corresponding calculated track on the African plate and the Indian plate, respectively. The numbers in the circles are ages in millions of years. The areas with topography just below the sea surface are now regarded as continental fragments. (Credit: © GFZ/Steinberger)
Fragments of Continents Hidden Under Lava in Indian Ocean: New Micro-Continent Detected Under Reunion and Mauritius
The islands Reunion and Mauritius, both well-known tourist destinations, are hiding a micro-continent, which has now been discovered. The continent fragment known as Mauritia detached about 60 million years ago while Madagascar and India drifted apart, and had been hidden under huge masses of lava.
Such micro-continents in the oceans seem to occur more frequently than previously thought, says a study in the latest issue of Nature Geoscience.
The break-up of continents is often associated with mantle plumes: These giant bubbles of hot rock rise from the deep mantle and soften the tectonic plates from below, until the plates break apart at the hotspots. This is how Eastern Gondwana broke apart about 170 million years ago. At first, one part was separated, which in turn fragmented into Madagascar, India, Australia and Antarctica, which then migrated to their present position.
Plumes currently situated underneath the islands Marion and Reunion appear to have played a role in the emergence of the Indian Ocean. If the zone of the rupture lies at the edge of a land mass (in this case Madagascar / India), fragments of this land mass may be separated off. The Seychelles are a well-known example of such a continental fragment.
A group of geoscientists from Norway, South Africa, Britain and Germany have now published a study that suggests, based on the study of lava sand grains from the beach of Mauritius, the existence of further fragments. The sand grains contain semi-precious zircons aged between 660 and 1970 million years, which is explained by the fact that the zircons were carried by the lava as it pushed through subjacent continental crust of this age.
This dating method was supplemented by a recalculation of plate tectonics, which explains exactly how and where the fragments ended up in the Indian Ocean. Dr. Bernhard Steinberger of the GFZ German Research Centre for Geosciences and Dr. Pavel Doubrovine of Oslo University calculated the hotspot trail: "On the one hand, it shows the position of the plates relative to the two hotspots at the time of the rupture, which points towards a causal relation," says Steinberger. "On the other hand, we were able to show that the continent fragments continued to wander almost exactly over the Reunion plume, which explains how they were covered by volcanic rock." So what was previously interpreted only as the trail of the Reunion hotspot, are continental fragments which were previously not recognized as such because they were covered by the volcanic rocks of the Reunion plume. It therefore appears that such micro-continents in the ocean occur more frequently than previously thought.
Source: Science Daily

Exigen a la UE la retirada de plaguicidas neonicotinoides

Exigen a la UE la retirada de plaguicidas neonicotinoides
La Comisión Europea está obligada a aplicar con el conjunto de los Estados Miembros de la UE medidas concretas que eviten el creciente declive de las poblaciones de abejas y otros polinizadores en Europa

El sector Apícola de COAG, Greenpeace y Ecologistas en Acción exigen a la Unión Europea que retire de inmediato la autorización de comercialización de los insecticidas sistémicos neurotóxicos.
Apicultores y ecologistas reclaman además que se hagan los esfuerzos necesarios para que la Agencia Europea de Seguridad Alimentaria (EFSA) complete la evaluación de riesgo de estas moléculas, una vez que existen ya suficientes pruebas de la alta toxicidad de estos plaguicidas. Las medidas propuestas son absolutamente insuficientes, debiendo incluirse de forma inmediata entre ellas la prohibición del uso de estas moléculas en pulverización en cualquier cultivo.
Al mismo tiempo,  las autoridades europeas deben exigir a la industria que ponga a disposición de los agricultores otras alternativas e instrumentos de lucha contra las plagas que permitan avanzar en el desarrollo de una producción agrícola más sostenible y respetuosa con el medio ambiente.
La Comisión Europea está obligada a aplicar con el conjunto de los Estados Miembros de la UE medidas concretas que eviten el creciente declive de las poblaciones de abejas y otros polinizadores en Europa, una vez probada la toxicidad de los plaguicidas sistémicos neurotóxicos. Estas medidas de prevención y preservación de la cabaña apícola europea son fundamentales para garantizar que "las abejas melíferas puedan seguir desempeñando su vital contribución a la polinización en los cultivos y en la mejora y el mantenimiento de la biodiversidad (medio natural)".
Los ciudadanos y la sociedad europea no pueden renunciar a su propia seguridad alimentaria, ya que el 84 % de la producción alimentaria depende estrechamente de la polinización desarrollada por las abejas, siendo la "actividad apícola un servicio medioambiental y un bien público estratégico que complementa y debe integrarse con la actividad productiva que realizan los agricultores". Como afirma la propia Comisión Europea "el continuo declive de las poblaciones de abejas y otros polinizadores podría tener graves consecuencias para los agricultores y el sector de la agroindustria de la UE".
Fuente: Ecotícias