segunda-feira, 16 de maio de 2016

Organizações Salvadorenhas se pronunciam pelo assassinato da liderança indígena Berta Cáceres em Honduras

Organizações Salvadorenhas se pronunciam pelo assassinato da liderança indígena Berta Cáceres em Honduras
A Coordenação Indígena Salvadorenha realizou uma Conferência de Imprensa para denunciar as motivações e autores do assassinato da líder indígena Berta Cáceres (47 anos) e que foi morta por estar mobilizando as comunidades indígenas e organizações sociais de seu país. 
O objetivo era barrar com as atividades de empresas interessadas na exploração dos recursos naturais e contrária a instalação de uma hidroelétrica sobre um rio na parte ocidental de Honduras.
O assassinato, realizado por um matador de aluguel, a mando de um oficial do Exército, que intermediou a ação com um Gerente da empresa dona da Hidroelétrica, teve a prisão de todos os envolvidos, que agora aguardam pela sentença.
Segundo a ONG Waste Less Future, com Berta Cáceres, são hoje mais de 116 ambientalistas ativistas mortos em um ano na América Latina.
A morte da ativista de Honduras, Berta Cáceres, apenas uma semana depois de ter sido ameaçado por se opor a um projeto hidrelétrico, é uma tragédia inqualificável, mas não é a única.
Ela é a mais recente vítima de uma longa linha em Honduras, desde o golpe que derrubou o presidente reformista Mel Zelaya em 2009. O co-fundador do Conselho dos Povos Indígenas de Honduras (COPINH) foi morto a tiros por homens armados que entraram sua casa em La Esperanza em torno de 1:00 na quinta-feira. Alguns relatos dizem que havia dois assassinos; outros sugerem 11. Eles escaparam sem serem identificados, depois de também ferirem o ativista mexicano Gustavo Castro Soto.
No ano passado, Cáceres - que é membro do grupo indígena Lenca, o maior em Honduras - recebeu o Prêmio Ambiental Goldman por sua oposição a um dos maiores projetos hidrelétricos da América Central, a cascata de Agua Zarca de quatro represas gigantes na bacia do rio Gualcarque.
O assassinato de Berta Cáceres, aumenta o temor dos ambientalistas, que têm sido historicamente alvo por suas ações ativistas, e por falarem sobre a injustiça ambiental que está colocando em risco comunidades.
Em abril de 2015, a ONG Global Witness publicou um relatório que mostrou que as mortes de ativistas ambientais estão aumentando, com as comunidades indígenas sendo as mais atingidas. 
O relatório caracterizou Honduras como o país mais perigoso para atuar como um defensor do meio ambiente. Os pesquisadores descobriram que, em 2014, pelo menos 116 ativistas ambientais foram assassinados. Destes, os maiores percentuais estavam protestando contra as atividades das empresas de energia hidrelétrica, mineração e agronegócio.
A Global Witness compilou um mapa das mortes no país, dando uma imagem surpreendente dos perigos que enfrentam os ambientalistas de todo o mundo. O mapa pode ser acessado neste link 
Em contraste com o ambientalismo fácil e glamouroso que domina muitos países ocidentais, os movimentos ambientalistas populares no mundo em desenvolvimento ainda enfrentam ameaças letais.
Isto evidencia, uma vez mais, que o direito de um ambiente seguro, saudável e ecologicamente equilibrado, que é um direito humano em si mesmo, é um direito humano que é freqüentemente violado, especialmente para os povos indígenas.

Por Julio Wandam
Ambientalista
Com Informações de Waste Less Future, Global Witness e Coordenação Indígena Salvadorenha

Nenhum comentário: