sábado, 12 de dezembro de 2009

Mudanças Climáticas: Cidade de Tapes/RS sente os efeitos com cheia da laguna

Imagens: Arquivo Os Verdes/Júlio WandamMudanças Climáticas: Cidade de Tapes sente os efeitos
As margens da Lagoa dos Patos, a cidade de Tapes, cerca de 100 km da capital do estado do Rio Grande do Sul, na região sul, sente os efeitos das mudanças do clima, que estão trazendo preocupações e desafios as comunidades atingidas pelas cheias da laguna, devido ao repressamento das águas pelo vento e que não estão chegando ao mar.Hoje (12/12), a situação parece que diminiu de tamanho, mas para alguns a preocupação com os familiares está presente, pois ocupam áreas dentro de riscos iminentes, junto a laguna em app, e com problemas inerentes a estes locais. As águas das sanga das Charqueadas em sua foz, já estão ultrapassndo os limites possíves, o que deixa o problema maior. Para o pescador Moisés Elias (Nico), morador da Vila dos Pescadores em Tapes, a preocupação em conter a cheia da laguna acabou providenciando um dique de areia da praia para evitar que as águas invadam mais seu terreno e casa, colocando em risco sua família que já está "ilhada". Para a dona Dora Castro, sogra de Nico, "a força da água" é algo para se preocupar, analisa ela com a visão acurada pelo ponto de vista empírico e da observação dos efeitos climáticos na realidade local.Enquanto em Copenhague, na Dinamarca, se discute o futuro do planeta em relação ao aquecimento global na COP 15, as emissões de CO² e toda a poluição que afeta o clima; alheia a tudo isso, dona Dora teme que o futuro deste local possa ser mais importante, pois ocupam uma área que segundo as opções menos pessimistas, poderá desaparecer do mapa com a elevação dos mares.Fábrica de Filetagem e Gelo, construída em área de preservação permanente, com "parecer favorável" do Conselho Municipal de Meio Ambiente e pouco utilizada para a finalidade a qual recebeu recursos do Ministério da Pesca e Aqüicultura.
Segundo João Galvão (foto abaixo), mais cinco casas serão construídas próximas da casa ao fundo na imagem, já dentro da lagoa, junto aos juncos da beira da praia.Uma critica constante sobre a ocupação deste local se dá pela observação de casas "novas" que estão sendo construidas as margens de APPs, neste caso, "praticamente" dentro d'água segundo José Carlos Galvão (Tio Calo), que é ativista da associação dos Pescadores. Para ele, a construção de casa dentro da lagoa representa desperdício de dinheiro público e perigo aos moradores que poderão acordar com águas pelo joelho.
Nas imagens registradas pela REDE Os Verdes, constata-se que tais residências construídas no local estão praticamente dentro das águas das laguna.
Outra situação diz respeito aos permanentes problemas dos lixos nas ruas da cidade, que acabam entupindo os bueiros de drenagem da água das chuvas, e trazem danos as regiões mais densamente ocupadas pela população tapense.As cheias da laguna acabam aumentando o nível das águas, e retornando pelas tubulações da década de 60, com tamanho incompatível com o aumento da população e da infra-estrutura urbana.
Segundo Mário Mendes, taxista em Tapes, nos seus 60 e poucos anos nunca havia visto tais situações e pensa que a população não está acreditando que o problema já bate em nossas portas.
Em recente imagem publicada por nossos parceiros Em Rede (Conjuminando), mostra que no Clube Náutico Tapense as águas já ultrapassaram os limites do trapiche. Na Vila dos Pescadores, o trapiche de descarga dos pescados do empresário conhecido como Jóia, "desapareceu" engolida pelas águas revoltosas da laguna.Na praia do centro, a força das águas começa a ampliar os buracos que margeiam o calçadão, e teme-se a situação semelhante em 1995 quando as águas engoliram parte da construção.Sanga do Meio: águas encontram barreira de areias de dragagem em 2000 para limpar o canal do Náutico.
Molhes do Clube Náutico Tapense sendo divididos pelas ondas da laguna dos Patos.
Fonte: Rede Os Verdes/RS

Nenhum comentário: