terça-feira, 5 de junho de 2012

ARTIGO ESPECIAL: Na Paraíba, Ambientalista Aramy Fablicio Protesta no Dia Mundial do Meio Ambiente

Na Paraíba, Ambientalista Aramy Fablicio Protesta no Dia Mundial do Meio Ambiente 
05 de junho de 2012, dia mundial do meio ambiente. Temos mais a protestar, Que comemorar. O Brasil é um dos principais alvos dos traficantes da fauna silvestre devido a sua imensa biodiversidade. Esses traficantes movimentam cerca de 10 a 20 bilhões de dólares em todo o mundo, colocando o comércio ilegal de animais silvestres na terceira maior atividade ilícita do mundo, perdendo apenas para o tráfico de drogas e de armas. O Brasil participa com 15% desse valor, aproximadamente 900 milhões de dólares. 
“Tolerância Zero”, muitas pessoas mantêm animais silvestres aprisionados  nas suas casas, outros desfilam em praças e ruas. Se uma pessoa é pega com droga a policia autua o infrator. O mesmo deveria acontecer com a pessoa que mantém um animal silvestre aprisionado deveria ser autuado e, dependendo do caso, responder processo ou cadeia, desta forma acabaria radicalmente com o tráfico de animais, pois ninguém iria querer ser processado ou até preso por manter um animal aprisionado ou acorrentado. A mesma ação deveria valer para maus tratos a animais domésticos e domesticados.  È comum vermos animais silvestres sendo comercializados em feiras livres e pessoas comprando porque acham bonitinhos, mas estas criaturas são tiradas do seu habitat natural  e são maltratados por traficantes, e a sociedade continua a colaborar para que estes criminosos enriqueçam e empobreçam a natureza levando várias espéscies a extinção, comenta o ambientalista Aramy Fablicio. 
“Os meios de comunicação” tem grande importância na conscientização da sociedade. Na Paraíba felizmente temos encontrado bastante apoio da mídia para nos ajudar nas causas ambientais através da divulgação de informações e matérias sobre o assunto. As apreensões realizadas pelo IBAMA e outros órgãos ajudam, mas a melhor prevenção é a informação, sensibilização e conscientização da população para não manter animais em cativeiro, ou qualquer agressão a natureza.  As escolas ainda estão longe de cumprir seu papel como agente de conscientização da população, pois pouco se fala em educação ambiental nas salas de aula, imagine agir! , desabafa Aramy. 
Para esse problema ser minimizado, segundo o ambientalista Aramy, “os governos deveriam investir em políticas socioambientais, melhoria na capacitação dos policias florestais, abrir concurso público com critérios que busquem atrair pessoas que realmente tenham interesse com a causa ambiental. Hoje temos sede do IBAMA e policiais florestais apenas em grandes cidades dos estados, creio que esse trabalho de combate aos crimes ambientais deveria ser descentralizado, em cada município pequeno deveria existir pelo menos uma sede ou posto do IBAMA com funcionários para que a população pudesse recorrer em caso de crimes ambientais e melhor fiscalizar. Apenas ligar para o 0800 da Linha Verde não resolve, pois hoje não temos pessoas suficientes para fiscalizar”. Mesmo que tenhamos um bom aparato policial para fiscalizar os crimes ambientais, mas se não houver conscientização e sensibilização da sociedade civil para não comprar os animais selvagens, pouco vai adiantar. 
Em 05 de junho comemora-se o dia mundial do meio ambiente, mas comemorar o quê? A devastação das florestas, a extinção dos animais, o eco das motosserras floresta adentro, a agonia das plantas e dos animais ardendo no fogo. Animais aprisionados em jaulas, gaiolas e correntes servindo como objeto de prazer sádico dos humanos. Os animais abatidos pelo caça predatória. Os maus tratos sofridos pelos animais, sejam selvagens, domésticos ou domesticados. O sofrimentos dos animais usados como cobaias para testes e vivissecções. O extermínio dos índios e suas terras tomadas, as leis ambientais estúpidas que favorecem os interesses dos latifundiários e não a conservação da natureza. A construção de usinas nucleares, a fabricação de bombas atômicas, como se não bastassem os exemplos de Hiroshima e Nagasaki, o vazamento nos anos oitenta nas usinas nucleares de Chernobyl na Rússia e Angra dos Reis aqui no Brasil e até o recente problema no Japão, na usina de Fukushima. O vazamento de Óleo no Alaska do navio Exon Valdez e na Baia de Guanabara pela Petrobrás e tantos e tantos exemplos. Comemorar a ambição e ganância dos governantes que só visam progresso desordenado sem respeitar o meio ambiente. Comemorar as ong's picaretas que usam o nome da natureza para ganhar dinheiro. O enriquecimento das multinacionais com ddt's causando a extinção de plantas e animais e envenenando os humanos e todo o planeta. A hipocrisia das grandes empresas que usam a mídia para mascarar todo mal que causam à natureza. Comemorar a desertificação que causa mais miséria e fome em todo mundo, a água potável cada vez mais escassa e o aquecimento global. O comprometimento com a qualidade de vida da atual geração e das futuras gerações. 
Região com animais e plantas exóticas que sobrevivem  à seca,  quando a  chuva não vem e o clima fica mais hostil, eles sobrevivem. Menos às agressões do pior dos animais, o "Bicho homem". Criaturas exóticas e lindas  estão sendo levadas do seu habitat natural para serem comercializadas nas cidades, principalmente  nos grandes centros como São Paulo, Rio, outros estados e regiões e para o exterior.
Os capturadores estão com equipamentos cada vez mais sofisticados que vai de GPS, gaiolas que variam de oito e até 14 alçapões pois quanto mais rápido a ave for capturada mais o número e o lucro aumenta, redes que capturam de gavião a beija flor. Algumas espécies são capturadas para serem empalhadas já que não se criam em cativeiro a exemplo de  espécies de beija flores que  são apreendidas para serem empalhadas e vendidas  para colecionadores e pessoas que se interessam em ter uma avezinha empalhada  para exibir para outras pessoas estúpidas, que acham graça nesta atitude. Crianças e adultos são aliciados, pois vêem na captura de animais uma fonte de renda bem melhor que qualquer  trabalho, pois gera mais dinheiro, as crianças são exploradas na hora que vendem o animal capturado para os atravessadores, que pagam mais barato por serem crianças. Muitas não freqüentam a escola para capturar animais, para elas o lucro do dinheiro é melhor que ir para escola. Alerta Aramy Fablício. 
A área de transição caatinga mata atlântica é um termômetro de tudo que acontece na região árida, passei a observar tudo desde criança e faço um apelo para que os grandes jornais do pais dediquem a mesma atenção a este bioma, com animais exóticos, e uma rica biodiversidade de seres endêmicos. 
Como melhorar a qualidade de vida no planeta se o homem se quer  respeita os direitos dos animais?
Para Aramy, “A captura é a maior causa das extinções, mas o desmatamento desordenado na região também contribui. Seria necessário um grande trabalho de conscientização e sensibilização com a sociedade. Localizada na área de transição da  caatinga e a mata atlântica, Fagundes na Paraiba, os proprietários de terra aderiram aos projetos, “biqueira velha e  natureza livre”, onde os animais são soltos e preservados, tornado se uma grande área de preservação  ambiental”. 
As leis do país proíbem a caça e a captura de animais silvestres e maus tratos a animais domésticos e domesticados, através a lei de nº 9.605/98 e qualquer outro tipo de crime ambiental. Mas “as políticas ambientais são falhas, quase toda casa no Brasil tem um animal aprisionado e não se faz nada. É “normal” vermos aves nas gaiolas em frente às casas, pessoas desfilando com animais silvestres nas ruas, comércio de animais silvestre em feiras livres.Isto é uma vergonha, Desabafa Aramy.  
A  sociedade civil tem que entender que o caos ambiental é reflexo de suas atitudes estúpidas , e os animais silvestres não são fabricados” MADE CHINA”, para servir como objeto de prazer do homem,  mas sim criaturas  para viverem livres . Não compre e nem permita que estas criaturas sejam capturadas. Tome uma atitude, caso ninguém se mobilize, mais espéscies são condenadas a extinção, e as futuras gerações vão conhecer animais só através de fotos. O Ministério do Meio Ambiente deveria agir com atitudes mais severas.   Dia 05 de junho se comemora o dia mundial do meio ambiente, mas comemorar o que? O desmatamento do planeta, a extinção dos animais, o próprio habitat onde o homem estar destinado a viver, comemorar o que?  Protesta o ambientalista Aramy Fablicio.
Fonte: Jornal de Fagundes/via REDE Os Verdes

Um comentário:

Unknown disse...

Parabéns ao grande e conceituado jornal os verdes, por apoiar a causa Ambiental mesmo nos lugares mais distante dos grandes centros e principalmente por publicar minhas matérias sobre o que estar acontecendo com a fauna e flora da região árida do Brasil. Aqui ninguem faz nada , é um faroeste caboclo. Arivista Ambiental aramy Fablicio. Fagundes Paraíba. aramy.fablicio@gmail.com