sábado, 1 de maio de 2010

Caso Doroty: Regivaldo foi condenado a 30 anos de reclusão

Caso Doroty: Regivaldo foi condenado a 30 anos de reclusão 
O pecuarista Regivaldo Pereira Galvão foi condenado a 30 anos de reclusão, pelo crime de homicídio duplamente qualificado praticado contra a missionária americana Dorothy Stang, morta em fevereiro de 2005, em Anapu. 
A senteça foi proferida no início da madrugada deste sábado (1º), após mais de 16 horas de julgamento no Fórum Criminal de Belém. 
Regivaldo foi condenado por maioria dos votos a 29 anos de reclusão, com mais um ano de agravante, por ser a vítima uma idosa, na época com 73 anos, e que não teve chance de defesa. 
A pena é a mesma que foi aplicada ao fazendeiro Vitalmiro Bastos de Moura, o "Bida", que também foi condenado sob acusação de mando do crime, em sessão realizada no dia 12 de abril. Regivaldo também foi condenado a pagar as custas do processo. 
O prazo legal para recorrer da sentença é de cinco dias. Ainda na tribuna, o advogado Jânio Siqueira declarou que vai recorrer dentro do prazo legal.

Caso – O crime aconteceu por volta das 7h30 do dia 12 de fevereiro de 2005, em Anapu (PA). Conforme a denúncia oferecida pelo Ministério Público, a missionária seguia para uma reunião com colonos para tratar de questões referentes ao Programa de Desenvolvimento Sustentável (PDS). 
No caminho, encontrou Rayfran das Neves Sales e Clodoaldo Carlos Batista, que aguardavam a passagem da vítima. Dorothy Stang foi assassinada com seis tiros, disparados por Rayfran, réu confesso. Clodoaldo atuou como facilitador para a ação de Rayfran, distraindo a vítima. 
O crime teria sido encomendado a um valor de R$ 50 mil, sendo Rayfran e Clodoaldo denunciados como executores, Amair Feijoli da Cunha como intermediador, e os fazendeiros Vitalmiro Bastos de Moura e Regivaldo Pereira Galvão como mandantes. Com a condenação de Regivaldo, todos os acusados já foram condenados.
Condenação histórica – A irmã Rebeca Spires, da Congregação de Notre Dame, à qual Dorothy Stang era filiada, declarou que a condenação de Regivaldo Galvão foi um marco para o Pará. 
As declarações vieram logo após a informação de que o advogado de defesa vai recorrer da sentença. "É natural que a defesa vá fazer uso de tudo o que o sistema judicial dispor, mas a condeação dele (Regivaldo) foi um marco para a história do Pará", comentou. 
Para a religiosa, a decisão foi correta, porque foi condizente com as provas fornecidas durante o julgamento. "Foi fruto de todo um trabalho árduo de investigação do Ministério Público, da assistência da acusação e da sociedade civil, exigindo ação e, por isso, uma coisa boa para o nosso estado. Como alguém me disse hoje: foi uma vitória para a Amazônia", afirmou. 
Ainda segundo a religiosa, a esperança é que essa condenação sirva de exemplo para que a violência no campo no Pará diminua.
Fonte: Portal ORM 

Nenhum comentário: