quarta-feira, 21 de julho de 2010

A CULPA É DO PÉ DE FUMO

A CULPA É DO PÉ DE FUMO
Por Juarez Nogueira 
Nunca antes na História desse país se viu tanto comunista e tanto socialista defender tanto interesse de pecuarista. Não, não há de se estranhar que PT, PC do B e ruralistas do DEM ou de qualquer outro credo se enlacem na farra do boi. Ou da vaca, que além da capa de costela dá maminha. Qualquer ideologia partidária não vale rasa plantinha do chão. Vale sim muitos hectares, um Acre inteiro. 
O Bruxo do Cosme Velho é que tem razão e direito: “a principal vantagem dos estudos da língua é que com eles não perdemos a pele, nem a paciência, nem, finalmente, as ilusões, como acontece aos que se empenham na política, essa fatal Dalila (deixem-me ser banal), a cujos pés Sansão perdeu o cabelo.” 
Não, aqui não quero ofender Dalila comparando-a com a senadora Kátia Abreu. Só faço confirmar que o estudo da língua é mesmo muito importante, senão vejamos que pérola de ecologia essa dona oferece:
“Quem dera fôssemos capazes de produzir comida sem ter que desmatar uma área, sem ter que arrancar do chão nenhuma espécie de plantinha.” Plantinha... 
E ainda: “Aldo é um símbolo porque não é da direita e não é fazendeiro, portanto as pessoas puderam enxergar honestidade, bom senso e isenção na matéria.” 
Muitas dessas pessoas aí estão se dobrando de tanto rir dessa declaração, mas aqui, de novo insisto na importância dos estudos da língua: o humor nesse país já foi coisa mais séria, minha gente. Agora virou esculhambação. 
Aldo Rebelo é aquele símbolo de deputado mais conhecido pela paternidade de um projeto xenófobo que proíbe o uso de estrangeirismos no Brasil. O que ele fez agora foi oficializar a xenofobia dos ruralistas com as plantinhas. Xenofobia com as plantinhas RÁ-RÁ-RÁ... 
Bom senso e isenção de matéria é isso RÁ-RÁ-RÁ... e é nisso que dá quando se junta tanto símbolo de bom senso e isenção de matéria: a culpa é do pé de fumo. 
Ainda com a importância dos estudos da língua: a política é menos, muito menos, questão de opinião. Deveria ser questão de ética, valores, bem comum – enfim, essas coisas que não valem uma plantinha, tudo muito simbólico. Deveria ser questão de princípios, mas princípios são muito menos ainda questão de opinião. A diferença é que opinião qualquer um tem. 
Para encerrar, com o velho Machado (de Assis, e não o primo pobre da motosserra): isto de política pode ser comparado à paixão de Nosso Senhor Jesus Cristo: não falta nem o discípulo que nega nem o discípulo que vende. 
Não, não estou comparando petista, socialista e ruralista a discípulo que nega e que (se) vende, até porque a questão aqui não é de opinião, nem de princípios e muito menos ainda tem a ver com o estudo da língua. A questão é que a culpa é do pé de fumo RÁ-RÁ-RÁ... 
Juarez Nogueira é professor e escritor mineiro em Divinópolis (MG), autor do "Manual de Sobrevivência na Redação" e "O Menino Alquimista"
Imagem: Augusto Pinz
http://www.cangucuemfoco.com.br 
Fonte: Blog do Altino Machado - Acre

Um comentário:

ALTINO MACHADO disse...

Caros, grato por passar adiante a mensagem. É linknado que a gente se entende. Bom trabalho.