domingo, 10 de abril de 2011

Ativista ambiental é ameaçada

FAROL DE SANTA MARTA
Ativista ambiental é ameaçada 
Carolina Gomez da Silva mostra ofício encaminhado ao governador Raimundo Colombo e outras autoridades, pedindo audiência pública para discutir asfaltamento na região do Farol de Santa Marta (Laguna-SC). 
Foto: Celso Martins 
Carolina Gomez da Silva, 22 anos de idade, residente no Farol de Santa Marta, acaba de ser ameaçada e agredida por questionar a implantação de asfalto entre a Passagem da Barra (Laguna) e o Camacho (Jaguaruna).
É a terceira vez que isso acontece nos últimos dois meses, segundo relata João Batista Andrade da ONG Rasgamar. Será feito um Boletim de Ocorrência do caso junto à Polícia Civil de Laguna. 
ao fundo: Praia do Cardoso
A estrada a ser pavimentada fica entre o mar e as lagoas, passando por dunas e afloeramentos de lençóis freáticos. Por esse motivo moradores, pescadores e ativistas ambientais pedem a realização de uma audiência pública para a discussão do projeto. 
Em ofício ao governador Raimundo Colombo e outras autoridades estaduais e federais a Rasgamar denuncia existência de interesses imobiliários em áreas de preservação. 
Loteamento clandestinos estão sendo abertos e os lotes vendidos livremente. Confira a seguir a íntegra do depoimento de Carolina sobre as agressões e ameaças sofridas e do referido ofício às autoridades.
Por Celso Martins
Leia mais no Sambaqui na Rede

Um comentário:

Tane disse...

Que triste saber que esse lugar maravilhoso está se acabando.Passei muitos verões e férias de julho em Laguna.Achava que era o lugar mais lindo que já tinha conhecido e foi com muita tristeza que depois de algum percebi que jogavam o lixo da região entre algumas dunas.Minha família manteve um imóvel no Camacho por uns 15 anos,mas depois que meu avô faleceu passamos a ir cada vez menos.Meu pai acabou vendendo a casa.Desde então, nunca mais voltei.É lamentável que tenham pavimentado o trajeto de camacho até o Farol de santa Marta,pois é uma falta de respeito e crime contra a natureza,e o pior é querer calar quem quer preservar.Lembro que tínhamos que mudar o caminho devido a mudança das dunas.Achava isso um máximo.