sexta-feira, 29 de abril de 2011

"É a água, estúpido!" por Pepe Escobar

 
 "É a água, estúpido!"
A Resolução n. 1.973 do Conselho de Segurança da ONU operou como cavalo de Tróia: permitiu que o consórcio EUA-anglo-francês - e a Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN) - se convertesse em força aérea da ONU usada para apoiar um levante armado. À parte nada ter a ver com proteger civis, esse arranjo é absoluta e completamente ilegal em termos da legislação internacional.
Não há business como o guerra-business
Por Pepe Escobar
Mentiras, hipocrisias e agendas ocultas. Eis os temas dos quais o presidente Barack Obama não tratou, ao explicar aos EUA e ao mundo a sua doutrina para a Líbia. A mente se perde, vacila, ante tais e tantos buracos negros que cercam essa esplêndida guerrinha que não é guerra (é "ação militar com escopo limitado por prazo limitado", nos termos da Casa Branca) - complicados pela inabilidade do pensamento progressista, que não consegue condenar, ao mesmo tempo, tanto a crueldade do governo de Muammar Gaddafi quanto o "bombardeio humanitário" dos exércitos de EUA-anglo-franceses.
A Resolução n. 1.973 do Conselho de Segurança da ONU operou como cavalo de Tróia: permitiu que o consórcio EUA-anglo-francês - e a Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN) - se convertesse em força aérea da ONU usada para apoiar um levante armado. À parte nada ter a ver com proteger civis, esse arranjo é absoluta e completamente ilegal em termos da legislação internacional. O objetivo final aí ocultado, que até as crianças subnutridas da África já viram, mas que ninguém assume ou confessa, é mudar o governo na Líbia.
O tenente-general Charles Bouchard, do Canadá, comandante da OTAN para a Líbia, que insista o quanto quiser, repetindo que a missão visa exclusivamente a proteger civis. Pois os "civis inocentes" lá estão, dirigindo tanques e disparando Kalashnikovs, brigada de farrapos que, de fato, são soldados em guerra civil. O problema é que, agora, a OTAN foi convertida em força aérea daquele exército, seguindo as pegadas do consórcio EUA-franco-inglês.
Ninguém diz que a "coalizão de vontades" que hoje combate o governo líbio é coalizão de apenas 12 vontades (das 28 vontades representadas na OTAN), mais o Qatar. Isso absolutamente nada tem a ver com a "comunidade internacional".
O veredicto sobre a zona aérea de exclusão ordenada pela ONU só será conhecido depois que houver governo "rebelde" na Líbia e terminar a guerra civil (se terminar rapidamente). Só então se poderá saber se, algum dia, os Tomahawks e bombas-em-geral foram algum dia justificados; o porquê de os civis de Cirenaica terem sido "protegidos", ao mesmo tempo em que os civis em Trípoli foram Tomahawk-eados; quem, afinal eram os ditos "rebeldes" ditos "salvos"; se a coisa toda, desde o início, em algum momento deixou de ser ilegal; como aconteceu de uma resolução do Conselho de Segurança da ONU ser usada para acobertar golpe de Estado (digo, "mudança de regime"); como o caso de amor entre "revolucionários" líbios e o Ocidente pode acabar em divórcio sangrento (lembrem o Afeganistão!); e quais os atores 'ocidentais' que lucrarão mais, imensamente, com a exploração de uma nova Líbia - seja unificada seja balcanizada.
Pelo menos por hora, é muito fácil identificar os que já estão lucrando.
Fonte: Asia Times Online
Tradução: Vila Vudu

Nenhum comentário: