segunda-feira, 7 de junho de 2010

Marina critica suposta central de dossiês de Dilma

Marina critica suposta central de dossiês de Dilma
'Sociedade tem que ter tolerância zero com qualquer coisa que viole direitos', afirmou a pré-candidata do PV
Por João Carlos de Faria
A pré-candidata à Presidência da República do Partido Verde, Marina Silva, manifestou neste sábado, 5, sua preocupação e condenou a possibilidade de haver uma articulação para montar uma central de dossiês a serviço da campanha de Dilma Rousseff à Presidência da República, conforme reportagem do Estado. "A sociedade tem que ter tolerância zero com qualquer coisa que viole direitos", disse.
"Ninguém pode violar direitos institucionais de ninguém para conseguir informação. Só quem pode fazer isso são as instituições públicas quando devidamente autorizadas", disse em entrevista coletiva, logo após visitar o Centro de Prevenção do Tempo e Estudos Climáticos, do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Ceptec/Inpe), em Cachoeira Paulista.
Para a ex-ministra "os fins não justificam os meios, porque os meios podem comprometer os fins". E completou: "Estou dizendo isso como um valor, como um princípio que deve ser seguido. Que as denúncias sejam investigadas e que sirvam de alerta porque não se pode violar os direitos constitucionais", disse.
Fonte: Estadão.com.br
 "Época da ditadura: Ninguém esquece, ou alguns, tem saudades?"
Pivô do dossiê deixa campanha de Dilma
O jornalista Luiz Lanzetta, cuja empresa, Lanza, é contratada pelo PT, pediu ontem afastamento da pré-campanha de Dilma Rousseff.
Lanzetta é apontado como o cérebro da tentativa de montar um grupo para espionar o adversário José Serra e produzir dossiês contra ele.
A decisão foi tomada na madrugada de ontem e comunicada por carta ao comando da campanha de Dilma, depois da divulgação de entrevista do delegado aposentado da Polícia Federal Onézimo Sousa à "Veja".
Na entrevista, ele diz que Lanzetta, responsável pela área de imprensa da pré-campanha, pediu-lhe que fizesse investigações "pessoais" sobre Serra. O contrato não chegou a ser fechado. O pedido ocorreu em encontro no restaurante Fritz, de Brasília, em 20 de abril, relatado ontem pela Folha.
Participaram ele, Lanzetta, o jornalista Amaury Ribeiro Júnior e dois membros da "comunidade de informações".
Um deles seria Idalberto Matias de Araújo, ex-agente do Serviço Secreto da Aeronáutica, segundo o jornal "O Estado de S.Paulo".

Fonte:Extra Alagoas - AL
Fonte: Congressoemfoco.com.br
Folha de S. Paulo

Nenhum comentário: