segunda-feira, 26 de dezembro de 2011

Chile: estudantes são detidos em último protesto de 2011

Manifestante vestido de Papai Noel é preso pela polícia chilena (Ivan Alvarado / Reuters)
Chile: estudantes são detidos em último protesto de 2011
Eles prometem continuar em 2012 luta pela educação gratuita e de qualidade
Centenas de estudantes chilenos protestaram nesta quinta-feira no centro de Santiago, até serem controlados pela polícia, que deteve uma dezena deles. Na última manifestação de 2011, os manifestantes prometeram continuar em 2012 sua luta por uma educação pública gratuita e de qualidade. 
Cerca de 500 estudantes se reuniram perto do meio-dia na Praça Itália, no centro de Santiago, comparecendo a uma convocação para protestar pela última vez no ano, mas em pouco tempo a polícia dissolveu a manifestação com jatos d'água e bombas de gás, e prendeu uma dezena de estudantes, entre eles um vestido de Papai Noel. 
Desocupação - Paralelamente, nesta quinta-feira, estudantes desocuparam o Lideu Darío Salas de Santiago, um dos poucos colégios que permaneceu tomado por estudantes durante mais de seis meses como medida de pressão. Já na quarta-feira os estudantes decidiram sair de forma pacífica de duas emblemáticas sedes estudantis: a Casa Central da Universidade do Chile, a mais importante do país, e o Instituto Nacional, um dos colégios públicos mais antigos, ocupados por mais de seis meses. 
Enquanto cerca de 20 estudantes saíam da sede da Universidade do Chile, outros chegavam para realizar trabalhos de limpeza e apagar os milhares de rabiscos feitos em suas paredes. Os estudantes chilenos encerravam assim um ano marcado por oito meses de protestos para exigir o fim do sistema educativo herdado da ditadura de Augusto Pinochet, e que, diante da falta de resposta do governo do presidente Sebastián Piñera, continuarão em 2012. 
"O movimento estudantil continua no ano que vem, porque os motivos pelos quais nos mobilizamos não estão resolvidos", afirmou nesta quinta-feira Gabriel Boric, presidente da Federação de Estudantes da Universidade do Chile (FECH), a mais poderosa do país, e que substituiu no cargo a carismática Camila Vallejo. 
Continuidade - Vallejo, militante do Partido Comunista e personalidade do ano no Chile, segundo várias pesquisas e publicações, perdeu a reeleição e ficou como vice-presidente da federação. Segundo Boric, ainda não foram definidas as formas de mobilização para o ano que vem, apesar de não ter se descartado que os protestos continuarão, assim como greves e ocupações de sedes estudantis. 
Fruto das reformas impostas pela ditadura de Pinochet (1973-1990), que reduziu a menos da metade o aporte público à educação e impulsionou a entrada das escolas e universidades privadas, hoje apenas 40% dos estudantes chilenos vai a colégios públicos gratuitos, enquanto não existe essa possibilidade no nível superior. 
Com agência France-Presse
Fonte: Veja.Com

Nenhum comentário: