quarta-feira, 11 de julho de 2012

A guerra da China contra o deserto

A recuperação de terras desérticas e arenosas no condado de Wengniute, na Mongólia, interior da China, está bem encaminhada. Foto: Manipadma Jena/IPS
A guerra da China contra o deserto 
Por Manipadma Jena 
A China tem quase um quarto de seu território coberto por desertos e areais que afetam a forma de vida de 400 milhões de pessoas. Enquanto a ciência qualifica a desertificação como um dos problemas ambientais mais graves do momento, uma aldeia da região de Mongólia Interior resiste à aridez. A vegetação dispersa e o clima seco de Chifeng deram lugar a uma grave erosão do solo e uma escassa fertilidade. A agricultura e a criação de animais, as duas principais atividades de seus nove condados e três distritos, estão em perigo pela desertificação, apesar de o reflorestamento ter começado em 1940. 
O governo local diz que o corte e a lavoura nas ladeiras das montanhas, o uso excessivo de terras agrícolas invadidas pela areia e pelo pastoreio intensivo são os principais responsáveis pelo problema, em uma região de poucos rendimentos e escassa cobertura vegetal. As terras degradadas, despojadas de sua cobertura verde, são cada vez mais vulneráveis aos potentes ventos que sopram na primavera, que vai de março a maio, e que, segundo os cientistas, arrastam cerca de 35 toneladas de areia por quilômetro quadrado em um mês. 
Qihetang, aldeia de 228 casas no condado de Linxi, em Chifeng, sofre um desastre ecológico por desmatamento e pastagem excessiva. Em 1990, a renda por habitante era de 300 yuanes (US$ 50) e cada família colhia 150 quilos de grãos em áreas de dois hectares nas encostas baixas, uma realidade que levou à imigração. As autoridades locais decidiram, dois anos depois, cercar as encostas, plantar árvores frutíferas e proibir a pastagem extensiva. Em 2000, o governo estadual contribuiu com apoio econômico e técnico para reverdejar a região. Foram entregues os subsídios de subsistência Grãos em Troca de Verde, equivalentes a US$ 8 e 200 quilos de cereais a cada propriedade.
Fonte: IPS/Envolverde

Nenhum comentário: