sábado, 6 de fevereiro de 2010

'Rio Xingu vai ficar vermelho de sangue se usina for construída', diz cacique

'Rio Xingu vai ficar vermelho de sangue se usina for construída', diz cacique
Luis Xipaia, da aldeia tukaia, diz que 4 mil índios estão prontos para lutar.
Ibama concedeu licença ambiental para obra da Hidrelétrica de Belo Monte. As lideranças das aldeias indígenas que serão afetadas pela construção da Usina Hidrelétrica de Belo Monte, no leito do Rio Xingu, no Pará, afirmam que vão usar todas as armas na luta para evitar que a obra seja concretizada. O Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) concedeu licença prévia para construção da usina nesta segunda-feira (1º). A decisão revoltou Luis Xipaia, cacique da aldeia tukaia e presidente do Conselho Indígena de Altamira (Coia). Ele disse que mais de quatro mil índios de nove aldeias da região estão prontos para "pegar em armas". Xipaia afirmou ainda que vai receber uma lista de pedidos dos representantes de todas as aldeias da região contra a obra. Ele quer realizar uma assembleia nesta segunda-feira (8) para decidir quais as ações a serem tomadas para evitar que o projeto da hidrelétrica siga em frente. "O Governo federal só vai construir a usina se matar os índios que vivem aqui. O Rio Xingu vai ficar vermelho de sangue. Fomos esquecidos, deixados de lado e temos o direito de falar o que pensamos sobre essa barragem. A nossa resistência será maior do que a realizada na reserva Raposa Serra do Sol." Nesta quinta-feira (4), entidades que compõem o Movimento Xingu Vivo para Sempre fizeram uma vigília, em frente ao escritório regional do Ibama, em Altamira (PA), em repúdio pela liberação da licença prévia para construção da usina. Outras manifestações foram realizadas em Santarém (PA) e Belém. Índios temem que parte do leito do Rio Xingu fique seco com a construção da Hidrelétrica de Belo Monte (Foto: Pedro Martinelli/Instituto Socioambiental/Divulgação)
“O ato serve para mostrar aos governantes e autoridades que não nos intimidamos com a forma pela qual el
es estão conduzindo este processo, de forma antidemocrática, ditatorial, desrespeitosa e sem ouvir as populações locais, principalmente as comunidades indígenas,” disse Antonia Melo, uma das coordenadoras do movimento. Áreas afetadas Os índios consideram que o alagamento previsto na obra da usina vai extinguir cemitérios indígenas, templos sagrados e sítios arqueológicos na região. "Querem acabar com a cultura e a história dos índios do Xingu", disse Xipaia. Segundo o Ministério do Meio Ambiente, apenas as cidades de Brasil Novo (PA), Altamira e Vitória do Xingu (PA) serão atingidas pela obra. As lideranças indígenas dizem que também serão afetadas as cidades de Senador José Porfírio (PA) e Anapu (PA). Segundo o Ibama, há 40 pontos abrangendo questões relativas à qualidade da água, fauna, saneamento básico, população atingida, compensações sociais e recuperação de áreas já degradadas a serem resolvidos antes do início da obra. O projeto da usina sofreu alterações e uma delas teria sido a redução de áreas alagadas, de acordo com nota divulgada pelo instituto.
Processo em andamento
O governo quer realizar o leilão de concessão da usina hidrelétrica de Belo Monte até o dia 12 de abril, segundo informação divulgada no balanço de três anos do Programa de Aceleração de Crescimento (PAC). Especialistas do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa), da Universidade Federal do Pará, do Museu Paraense Emílio Goeldi, do Instituto Sócio Ambiental (ISA) e do Fundo Mundial para a Natureza (WWF, pela sigla em inglês) realizaram um estudo apontando impactos ambientais da construção da usina para a vegetação local, animais e até sobre as populações indígenas que habitam um trecho do rio conhecido como Volta Grande do Xingu. O cacique Xipaia disse que os índios "não vão assistir passivamente a transformação do território em um imenso canteiro de obras para a construção de uma usina, que produzirá no máximo 4.000 MW de energia, que nem será barata e muito menos limpa."
Energia x impacto ambiental
O estudo de impacto ambiental indica falhas na previsão de geração de energia da usina, que seria maior do que a capacidade real do projeto. Os estudos preliminares para a construção de um
a hidrelétrica no Rio Xingu foram feitos na década de 1980. O projeto da barragem e de canais desviam parte do leito do rio. O cálculo prevê que cerca de 100 quilômetros do curso d'água fiquem secos. A obra prevê a capacidade de geração de 4.719 megawatts (MW) no período seco e 11.181 MW com a usina em plena capacidade. A Usina de Itaipu – a maior do Brasil – tem capacidade para 14 mil MW. Os reservatórios de Belo Monte, incluindo os canais, ocuparão uma área de 516 km², o equivalente a um terço do município de São Paulo. Povos ribeirinhos temem ser atingidos pela obra da Hidrelétrica de Belo Monte (Foto: Klinton Senra/Instituto Socioambiental/Divulgação)
Desenvolvimento econômico

O Fórum Regional de Desenvolvimento Econômico e Sócio Ambiental da Transamazônica e Xingu, que congrega mais de 170 entidades da região, considerou a licença prévia do Ibama positiva, mas apontou a necessidade de que o restante do projeto seja desenvolvido de maneira sustentável.
De acordo com Vilmar Soares, coordenador do fórum, a usina é considerada vital para a região e deve colaborar para resolver problemas como a falta de regularização fundiária e licenciamento ambiental das atividades produtivas. “Esperamos também que a usina traga investimentos nas áreas da saúde, educação e de infraestrutura. Esta é uma região que viveu durante décadas em abandono."
Fonte: G1

Nenhum comentário: