sábado, 11 de dezembro de 2010

ECOLOGIA? NÃO, OBRIGADO, JÁ ESCOVEI OS DENTES por Marcio Bueno

 
ECOLOGIA? NÃO, OBRIGADO, JÁ ESCOVEI OS DENTES
Por Marcio Bueno 
Gostaria que não fosse assim, mas há uma cisão aparentemente irremediável entre o movimento ambientalista e os defensores dos direitos animais. Quem olha de fora até imagina que se anda de braços dados, caminhando e cantando e seguindo a canção, mas a verdade é que há uma eterna rota de colisão. 
Para quem é antiespecista, aceitar a pecuária mas elaborar projetos para salvar o ‘bibibó-do-bico-amarelo’ é contrassenso. Milhares de animais mortos no dia a dia, ok. Não se preocupar com alguns espécimes de determinada área, errado. 
Mas não foi o desmatamento que eliminou as moradias dos animais silvestres? Então eu procuro um ecologista que não coma carne ou laticínios, ou não fume. Geralmente é o pacote completo, e com orgulho. Mas os espaços para o gado, ou para a soja – que não é plantada para alimentar vegetarianos, para o fumo, já guardaram animais e plantas que, hoje, viraram fetiche para o bom ambientalista. Entretanto, e aí discurso e prática dão seta para dobrar esquinas diferentes, essa repetição do dia a dia traz resultados e exigências do agronegócio que contradizem a ideologia dos amigos da natureza. Cada tragada na chupeta do diabo, digo, no cigarro, são moedas que tilintam no saldo bancário de uma indústria que planeja mais área plantada para atender ‘o mercado’. Nessa hora, passa-se procuração para que locais onde antes ainda dava para animais se virararem nos 30 sejam patrimônio lavrado pelo agronegócio – tão odiado pelos eco-whatever. 
Cada bife, ovo frito ou copo de leite geladinho veio de uma linha de montagem que começou, lá na ponta, com uma motosserra sendo ligada. Poderia ser diferente, se o consumidor ‘consciente’ abrisse mão dos hábitos que mamãe ensinou, e que a pressão do grupo lhe obriga a não sair do esquema já conhecido. Se detesta a destruição da Amazônia, a bancada ruralista, o agrobusiness, o aquecimento global e o imperialismo, que reveja o que recheia o prato. 
Já ouvi um doutor em Ecologia dizer que a pecuária é necessária para a preservação da natureza. Sem rubor nas faces. 
A dor dos animais não importa, a submissão durante toda a vida, a extração à força de ingredientes culinários, se isso passar por um funcionamento ecologicamente/ideologicamente correto, manejo adequado, que obviamente só poderia ser feito pela pureza de um camponês idealizado. Mas, rico ou pobre, o produtor apenas está acostumado a fazer render cada animal sob sua posse. Isso não muda muito para quem é escravo porque é de outra espécie. 
Então se a ideia é não financiar o sistema vigente, que vem patrolando pandas, baleias, Mata Atlântica e Amazônia há séculos, porque já se pensou e debateu à exaustão essas questões, é cômodo ter surdez seletiva. Não escutar as máquinas que picotam a natureza para oferecer, vejam só, prato-feito-tipo-Jesus-me-chama e depois um cigarrinho para amenizar o tédio abissal da vida. São esquinas diferentes sendo dobradas.
--
Marcio de Almeida Bueno
www.vanguardaabolicionista.com.br
 
Fonte - Instituto Nina Rosa

Um comentário:

Joana disse...

Mas comer animais faz parte da natureza..O corpo humano sofre se não come carne...Da mesma maneira que não ficamos com dó de uma zebra que é atacada por leões (por causa da cadeia alimentar),não deveriamos nos sentir mal comendo animais.