sábado, 13 de novembro de 2010

Farol de Santa Marta: um paraíso ameaçado - parte 2

Calçadão da Prainha - efeitos da elevação da maré
Farol de Santa Marta: um paraíso ameaçado - parte 2
A história do lugar é rica em situações que nos remetem a refletir sobre a importância deste ambiente na vida de muitas famílias tradicionais que aqui vivem
São pescadores na sua maioria que possuem uma relação de "sustentabilidade" plena, donde tiram seu sustento e criam seus filhos na humildade daqueles que respeitam o mar e as dádivas da natureza.
Durante muito tempo foi assim, sendo que com a mudança de gerações e culturas, algo começou a ocorrer.
Com a chegada dos turistas a falta de cuidado com lixo amplia

Novas idéias sobre o turismo e os ambientes atrativos do lugar começaram também a influenciar decisões políticas, e faltando política pública para que o Farol viesse a manifestar contrariedade ao desenvolvimento, criou um cisma entre as entidades locais e autoridades de Laguna, umas a favor do "desenvolvimento" e outras contrárias a descaracterização da pacata vila de pescadores e sua manifesta vocação turística alternativa, sem modificar a paisagem tão importante aos olhos dos visitantes.
Dunas de conchas de milênios

As milenares dunas com sambaquis e fósseis que remontam milhões de anos da evolução da terra estão expostas ao descaso daqueles que desconhecem sua importância. Mas jamais deixarão de ter o olhar atento daqueles que ajudaram na criação da área de preservação que protege o morro da ocupação irregular e nefasta em mais um dos cartões postais do lugar.
Paisagens de milênios de evolução

Para muitos o progresso significa triplicar ou mais o número de pessoas que irão "invadir" o Farol, antes uma lugar de sossego e que na última década sofreu modificações irreversíveis em sua rara beleza e na sua cultura. Triplicará ou mais também a produção de lixos, esgotos, casas, consumo de água e outros "resultados" de um avanço sem critérios bem definidos.
Vertentes em meio as dunas abastecem aqüífero

No atual momento, a proteção dada ao lugar é pequena se comparada a falta de consciência das pessoas sobre a necessidade de preservação e conservação da natureza.
Ao caminharmos pelas trilhas do lugar, muito lixo deixado pelos "visitantes" que poderiam trazer ele de volta, ou trazendo aqueles que são encontrados no caminho, pois este material não é daquele ambiente e muito menos ajuda na paisagem que queremos guardar em nossos registros.
Durante estes dias, avaliaremos a situação e a periodicidade da coleta pública, que segundo os moradores é precária, com a necessidade de um serviço público eficiente em local de grande fluxo turístico, dizem eles.
Lixos eletrônicos em meio ao ambiente

Com certeza este problema do lixo é algo que na história do lugar serviu para alertar o futuro de que ambientes importantes como este devem ser preservados dos nossos resíduos, pois cerca de 20 anos atrás a remoção de um lixão na praia da Cigana, próximo ao aqüífero foi a ponta de lança para o nascimento do Movimento de preservação e luta ativista para manter o Farol de Santa Marta o máximo possível protegido contra a especulação imobiliária, o avanço da poluição, a destruição dos sambaquis e dunas cobertas de conchas.
(artigo de ontem) >>> (continua amanhã...)

Nenhum comentário: