segunda-feira, 8 de novembro de 2010

Moradores da 13 de maio indignados com bota-fora da Prefeitura

Moradores da Avenida 13 de maio indignados com bota-fora da Prefeitura
Cerca de alguns anos, os moradores da Avenida 13 de maio em Tapes estão indignados com a deposição de diversos lixos numa área que seria para a construção das fábricas prometidas em 2008, durante  a campanha eleitoral. 

A única "fábrica" que os moradores alegam existir ali é de ratos, baratas e moscas, além dos odores característicos de fábricas que não operam em conformidade com a lei, quando estes "bichinhos" incomodam os moradores da Avenida e próximas ao depósito de lixos que só tem cerca na frente, nas laterais não existe proteção alguma conforme as imagens.
Este local na verdade, se chama bota-fora (ou área de transbordo), se fosse licenciada e operasse em condições de evitar a presença de pessoas ao local, poderia tecnicamente ser assim chamada.
A necessidade de impedir a presença de pessoas não autorizadas a usar o local para o despejo de lixos, a minimização dos impactos, produção de vetores e odores nauseantes são umas das séries de reclamações dos moradores.
 

Não foi até sexta feira (05/11) esta a situação referente “a presença de pessoas estranhas” no local, pois alegam que apenas neste dia foi colocada uma corrente e cadeado no local, motivado pelos reclames dos moradores que não queriam mais a presença de seus filhos nesta área.
Outros problemas foram relatos por mais de 15 pessoas entrevistadas, e todas denunciam a precariedade das condições do local, que segundo eles “haveria sido dito” que seria apenas para galhos de árvores e “por algum tempo”.
Não é o que encontramos no local, existindo alguns focos com lixos domésticos misturados a caliças, podas, inservíveis diversos, sem nenhum tipo de triagem.
Todo este material, quando o local esta transbordando de lixos é enviado ao lixão da Camélia para servir de cobertura aos lixos, o que de forma alguma é recomendável, visto que a matéria orgânica que se decompõe após sua compactação, irá criar bolsões de gás metano (CH4) no subsolo.
Uma das queixas dos moradores é quanto ao mau cheiro que exala do local, pois alguns tapenses lançam seus lixos no local, de forma clandestina, com ossos de abates de reses, animais mortos, pneus e outros entulhos.
A placa na entrada do local que opera uma "área de transbordo" sem licença da FEPAM é irônica, quando informa que o local  está "proibido  lixo neste local".
O que mais se encontra no local são lixos diversos, sem os devidos cuidados e tratamentos para impedir o impacto ambiental, até mesmo pela proximidade da Sanga do Meio, no fundo do terreno ocupado por montes de entulhos e lixos.
Foi recomendado aos moradores das imediações que procurassem as autoridades competentes, tipo PATRAM ou Ministério Público, a fim de garantirem o direito à qualidade ambiental em sua comunidade.
Fonte: REDE Os Verdes/Via e-mail

2 comentários:

Dilmar Gomes disse...

Amigo, não muito a dizer além de: "ESTÃO ACABANDO COM O PARAÍSO"
Um grande abraço.

Dilmar Gomes disse...

Corrigindo, eu quis dizer: "Não tenho muito a dizer. Faltou o verbo no post anterior
Obrigado.