quarta-feira, 20 de março de 2013

Comunidade ambientalista do Egito em luto após a morte repentina de ativista Mindy Bahaa El Din

Comunidade ambientalista do Egito em luto após a morte repentina de ativista Mindy Bahaa El Din
A jornalista local Arwa Aburawa conhecia pessoalmente Bahaa El Din e escreve seus pensamentos sobre a morte de uma herói
Eu conheci Mindy Bahaa El Din durante uma entrevista de volta em 2011. A primeira coisa que me impressionou nela era sua visão positiva sobre as coisas. Parecia que, em questões ambientais, ela era imune aos cínicos sobre qualquer coisa. Nascida Mindy Rosenzweig, a americana é de Chicago, inicialmente chegou ao Egito em 1988 com a missão de destacar a importância da conservação. No final, descobriu-se que era uma tarefa tão grande que ela nunca mais voltou.

Em vez disso, ela se apaixonou pela natureza do Egito, conheceu e se casou especialista em pássaros, Sherif Bahaa El Din e tornou-se uma dos principais militantes verdes do país. Ela também foi a secretária de organização da "Conservação da Natureza do Egito", que se dedica a conservação do meio ambiente no Egito.
"Ao longo dos anos, temos assistido a grandes mudanças e degradação do património natural do Egito", disse-me em 2011. "É chocante como uma geração tomou decisões sobre o uso dos recursos naturais, afetando todos as presentes e futuras gerações de egípcios."
"A nação é abençoada com a natureza incrível, o património cultural e as comunidades tradicionais que precisam ser protegidas."
Campanha em diferentes frentes
Durante o meu relatório ambiental sobre o Oriente Médio, recebia regularmente tweets de Mindy sobre tudo, desde campanhas para parar projetos de desenvolvimento, perto do Lago Qarun, e esforços para acabar com a pesca em Ras Mohammed National Park.
Mindy Baha El Din não foi tímida para fazer o máximo nas mídias sociais e estava orgulhosa de todo o apoio internacional que ela conseguiu angariar para suas campanhas.
"Este é o novo ativismo ambiental", ela me confessou após a revolução no Egito, que viu a queda do ditador Mubarak, no início de 2011. "Não foi tolerada no passado, mas parece servir a atmosfera atual no país".
Com efeito, após a Primavera Árabe, Mindy parecia ir à velocidade máxima com uma crença ainda maior a necessidade de manter as pessoas informadas e a importância da abertura da expressão e comunicação.
Ainda assim, ao mesmo tempo, ela era orgulhosa de ser egípcia e me disse que se considerava ter a sorte de chamar Egito de sua casa. "Viver aqui é como estar em férias permanentes", ela disse.
Uma equipe de marido e mulher
Trabalhar com seu marido, ela levou campanhas internacionais contra a caça de aves, ajudou a informar a política ambiental do governo e fez campanha para conservar qualquer pedaço precioso da natureza que estava sob ameaça.
"Nós dois temos um forte senso de dever cívico", explicou ela. "Nós tentamos o nosso melhor para fazer a diferença, mas tem sido uma luta difícil."
A única coisa que me surpreendeu quando eu entrevistei Mindy Baha El Din foi como ela era otimista. Mesmo depois da revolução que derrubou Mubarak houve a ameaça de ser empurrada ainda mais para baixo as questões ambientais na agenda política, mas ela viu novas oportunidades e potenciais novos nos jovens que inundaram as ruas.
"O que é muito emocionante após a revolução é todas essas pessoas criativas, talentosas e brilhantes, jovens", disse ela. "Eles são a capital da nação e futuro. Eles querem ser envolvidos na melhoria de sua nação. Cabe a nós ambientalistas encontrar formas de envolver e canalizar as suas energias", disse ela.
Última quinta-feira (14/03/2013) Mindy sofreu um derrame e foi hospitalizada. Durante uma operação, ela entrou em coma. Ela faleceu na manhã segunda-feira seguinte (18/03/2013). Seu velório será realizado ainda esta semana no Cairo e é aberto ao público.
Arwa Aburawa é jornalista freelance especializada em questões ambientais no Cairo, Egito



Fonte: REDE Os Verdes/via Facebook

Nenhum comentário: