sábado, 18 de junho de 2011

Chuvas torrenciais forçam retirada de 88 mil na China

Chuvas torrenciais forçam retirada de 88 mil na China
Desde o início de junho, inundações no centro e no sul do país deixaram ao menos 105 mortos e 65 desaparecidos
As chuvas torrenciais e as inundações no centro e no sul da China, uma zona que há apenas uma semana sofria a pior seca em 50 anos, forçaram a retirada de 88 mil em seis províncias, informaram nesta quarta-feira as autoridades pela agência oficial Xinhua (Nova China). 
Nos últimos três dias, as chuvas deixaram mais sete mortos. Desde o início de junho, as inundações deixaram ao menos 105 mortos e 65 desaparecidos. A chuva na região deve durar até sexta-feira e se espalhar para o norte da China em alguns dias, de acordo com Centro Meteorológico Nacional. 
Estudantes andam sobre cadeiras para atravessar área inundada na Universidade de Hubei, no centro da China (14/06) 
O Ministério de Assuntos Civis da China e o Ministério das Finanças alocaram conjuntamente 130 milhões de iuans (US$ 20,5 milhões) para as províncias de Hubei e Hunan para a retirada de pessoas e os esforços de reconstrução. Nessas províncias, 150 milímetros de chuvas caíram na terça-feira. 
A Xinhua informou que as enchentes e deslizamentos de terra causadas pelas maiores chuvas em 300 anos na semana passada deixaram 29 mortos e 20 desaparecidas na cidade de Yueyang, Província de Hunan. A província costeira de Zhejiang elevou os alertas sobre as chuvas. Lá a precipitação causou deslizamentos de terra e ameaçava afetar barragens, disse a Xinhua. 
Cerca de 53 mil retiradas ocorreram na localidade de Xianning, em Hubei (centro da China), uma província onde em abril e maio vários rios quase secaram totalmente pela falta de chuvas. Outras 2,7 mil foram deslocados na vizinha Província de Guizhou, onde nos últimos dois dias foram registradas três mortes causadas por raios. 
Outras quatro mortes aconteceram na região da Mongólia Interior, no norte da China, onde chuvas torrenciais e granizo mataram 1 mil cabeças de gado, uma das bases da economia local. 
Fonte: AP, EFE e Reuters

Nenhum comentário: